Ordo Templi Orientis – Brasil
 

Ordo Templi Orientis

Introdução

Faze o que tu queres será o todo da Lei.

Fundada em 1904 na Alemanha com o objetivo de atuar como uma Academia para maçons de altos graus, a Ordo Templi Orientis foi a primeira a aceitar como base filosófica e mística a Lei de Thelema, tal como fora recebida por Crowley em 1904 e proclamada no Livro da Lei (Liber AL vel Legis). Disso resultou uma completa reestruturação organizacional, iniciática e filosófica, que terminou por colocar a O.T.O. em uma estrada totalmente nova e desvinculada de todos os grupos de caráter maçônico, rosacruz ou semelhantes; uma estrada norteada pela Lei do "Faze o que tu queres".

Esta Lei, ainda que utilizada por muitos como uma mera desculpa para licenciosidade e irresponsabilidade, é justamente o oposto de tal comportamento. A Lei de Thelema é o supremo chamado para que cada ser humano assuma para si a plena responsabilidade por sua vida, por cada uma de suas decisões e as consequências delas, e ainda a responsabilidade por seu próprio autoconhecimento, rumo à descoberta do objetivo central de sua existência: a sua Verdadeira Vontade e a realização deste objetivo. Esse é, para o thelemita (seguidor da Lei de Thelema), o verdadeiro significado de Liberdade.

A Ordo Templi Orientis busca congregar em seu meio homens e mulheres que compartilhem tais objetivos, cada um com seu próprio método e visão de caminho, buscando estabelecer núcleos sociais livres fundamentados na filosofia thelêmica, através do fornecimento de auxílio mútuo como informação, aconselhamento, auxílio ritualístico e iniciático, companheirismo e irmandade. Com isso, a O.T.O. estabelece como um de seus principais objetivos a luta pela Liberdade do Ser Humano, de modo que cada um possa atingir a plena realização de seu máximo potencial.

Esta união de pessoas se dá através de grupos chamados Corpos Locais, espalhados por várias cidades ao redor do mundo. Há três tipos deles, por ordem de complexidade administrativa e responsabilidades: Acampamentos, Oásis e Lojas. A maioria dos membros da Ordem participa diretamente de um ou mais Corpos Locais. A maior parte deles oferece instruções, práticas ritualísticas coletivas e atividades culturais, artísticas e sociais. Os membros são estimulados a manter estudos e práticas em temas tão variados como Magick, Cabala, Tarô ou outros temas que lhes sejam interessantes individualmente ou em grupo. Muitos Corpos Locais também mantêm atividades virtuais como sites, blogs, listas de e-mail ou comunidades em sites de relacionamento. É também comum que publiquem jornais ou revistas com artigos próprios, traduções ou notícias.

Membros que residam em localidades que não disponham de um Corpo Local são aconselhados a manter frequente contato com seus irmãos e irmãs por meios eletrônicos ou tradicionais para atualização de seus estudos, troca de informações sobre práticas etc., bem como a estarem presentes sempre que possível aos principais ritos do Corpo Local mais próximo.

A Ordo Templi Orientis é uma organização independente, sem vínculos com qualquer outro grupo de caráter religioso, político, inciático, místico ou de quaisquer outras orientações. Não reconhecemos equivalência de Graus Iniciáticos com nenhuma organização ou prestamos obediência a qualquer outro grupo. A política operacional da O.T.O. é a de respeito ao trabalho de qualquer outra organização e não intromissão em seus assuntos, postura da qual se espera reciprocidade.

Amor é a lei, amor sob vontade.

A História da O.T.O.

Ordo Templi Orientis

Mesmo que oficialmente fundada no princípio do Séc. XX e.v., a O.T.O. representa a exteriorização e confluência de divergentes correntes de sabedoria e conhecimento esotérico, que eram originalmente divididas e guiadas à contra cultura pela intolerância política e religiosa durante as idades negras. Ela remete às tradições dos movimentos Maçônico, Rosacruciano e Iluminista dos Sécs. XVIII e XIX, às cruzadas dos Cavaleiros Templários da Idade Média, ao recente Gnosticismo Cristão e às Escolas Pagãs de Mistérios. Seu simbolismo contém uma reunificação das tradições ocultas do Ocidente e do Oriente, e a resolução destas tradições permitiu-a reconhecer o verdadeiro valor da revelação do Livro da Lei de Aleister Crowley.

Carl Kellner

O Pai Espiritual da O.T.O.

O Pai Espiritual da Ordo Templi Orientis foi Carl Kellner (Renatus, 01/09/1851 - 07/06/1905), um rico industrial austríaco da química do papel. Kellner foi um estudante da Maçonaria, do Rosacrucianismo e do Misticismo Oriental, e viajou extensamente pela Europa, América e Ásia Menor. Durante suas viagens, ele alegou ter entrado em contato com três Adeptos (um Sufi, Soliman ben Aifa, e dois Tantristas hindus, Bhima Sena Pratapa de Lahore e Sri Mahatma Agamya Paramahamsa), e uma organização chamada A Irmandade Hermética da Luz.

Em 1885, Kellner encontrou o Dr. Franz Hartmann (1838 - 1912), estudioso Teosófico e Rosacruciano. Mais tarde, ele e Hartmann colaboraram no desenvolvimento da terapia pela inalação de "ligno-sulfito", para o tratamento da tuberculose, a qual formou a base do tratamento do sanatório de Hartmann nas proximidades de Saltzburg. Durante o decorrer de seus estudos, Kellner acreditou ter descoberto uma "Chave" que oferecia uma clara explicação de todo o complexo simbolismo maçônico e que, acreditava Kellner, abriria os mistérios da Natureza. Kellner desenvolveu o desejo de formar uma Academia Maçônica que permitiria habilitar todos os maçons a tornarem-se familiarizados com todos os existentes graus e sistemas maçônicos.

Academia Maçônica

Em 1895 Kellner começou a discutir sua ideia de fundar uma Academia Maçônica com seu sócio, Theodor Reuss (Merlin ou Peregrinus, 28/06/1855 - 28/10/1923). Durante estas conversas, Kellner decidiu que a Academia Maçônica deveria chamar-se "Ordem dos Templários Orientais". O oculto círculo interno desta Ordem (a O.T.O. propriamente dita) deveria organizar-se em paralelo aos mais altos graus dos Ritos maçônicos de Memphis e Mizraim, e deveria ensinar as doutrinas esotéricas Rosacrucianas da Irmandade Hermética da Luz e a "Chave" de Kellner para o simbolismo maçônico. Tanto homens quanto mulheres seriam admitidos a todos os níveis desta Ordem, mas a posse de vários graus da Arte e Altos Graus maçons deveriam ser pré-requisitos para a admissão no Círculo Interno da O.T.O.

Infelizmente, graças aos regulamentos das Grandes Lojas estabelecidas que governavam a Maçonaria Regular, mulheres não podiam ser iniciadas como maçons e assim seriam excluídas por definição da admissão à Ordem dos Templários Orientais. Esta deve ter sido uma das razões pelas quais Kellner e seus associados resolveram obter controle sobre um dos muitos ritos, ou sistemas, da Maçonaria; para reformar o sistema para a admissão de mulheres.

As discussões entre Reuss e Kellner não levaram a quaisquer resultados na ocasião, pois Reuss estava muito ocupado com o renascimento da Ordem dos Illuminati, juntamente com seu associado Leopold Engel (1858 - 1931), de Dresden. Kellner não aprovava a recriação da Ordem dos Illuminati ou Engel. De acordo com Reuss, até sua separação final de Engel, em junho de 1902, Kellner contatou-o e ambos concordaram a proceder com o estabelecimento da Ordem dos Templários Orientais, buscando autorizações para atuar nos vários ritos dos altos-graus da Maçonaria.

Bases Maçônicas

Theodor Reuss, além de ser o líder da rediviva Ordem Bávara dos Illuminati, era também Grande Mestre do Rito de Swedenborg da Maçonaria na Alemanha (patente datada de 26 de julho de 1901, por W. Wynn Westcott), Inspetor Especial da Ordem Martinista na Alemanha (patente datada de 24de junho de 1901, por Gérard Encausse) e Magus do Alto Conselho alemão da Societas Rosicruciana em Anglia (carta de autorização datada de 24de fevereiro de 1902, por W. Wynn Westcott). Com auxílio de Kellner, Reuss contatou o estudioso maçônico John Yarker (1833 - 1913), para adquirir patentes para operar três sistemas dos altos-graus da Maçonaria conhecidos como o Antigo e Primitivo Rito de Memphis, de 97°, o Antigo Rito Oriental de Mizraim, de 90°, e o Antigo e Aceito Rito Escocês, de 33° (Conselho de Cernau, Nova York, 1807).

Reuss recebeu cartas-patente de Grande Inspetor Soberano 33° do Rito Escocês de Cernau de Yarker, datando de 24 de setembro de 1902. De acordo com uma cópia publicada, Yarker emitiu na mesma data uma permissão para Reuss, Franz Hartmann e Henry Klein operarem um Soberano Santuário 33° - 95° dos Ritos Escoceses, de Memphis eMizraim. Yarker emitiu uma segunda patente confirmando a autoridade de Reuss para operar nos ditos Ritos em 01 de julho de 1904; e Reuss publicou uma cópia de uma patente de confirmação datada de 24 de junho de 1905. Reuss iniciou a publicação de um periódico maçônico, "The Oriflamme", em 1902.

Estes Ritos, em conjunto com o de Swedenborg, foram adotados como elementos integrais dentro do esquema geral da Ordem. O Rito de Swedenborg, que incluía uma versão dos graus de Arte, em conjunto e o Rito Escocês de Cernau e os Ritos de Memphis Mizraim proveram uma seleção de "altos graus" trabalháveis tão completos como jamais existiu. Juntos, eles proveram um completo sistema de iniciações maçônicas à disposição da Ordem. Com a incorporação destes Ritos, a Ordem estava pronta a operar como um sistema maçônico completamente independente. Reuss e Kellner prepararam juntos um breve manifesto para sua Ordem em 1903, o qual foi publicado no ano seguinte em "The Oriflamme". Kellner morreu em sete de junho de 1905 e Reuss assumiu pleno controle da Ordem. Com auxílio dos co-fundadores Franz Hartmann e Heinrich Klein, Reuss preparou uma Constituição para a Ordem em 1906.

A O.T.O. Dirigida por Reuss

Os Primeiros Tempos

Rudolph Steiner (1861 - 1925), que nesta época era o Secretário Geral do ramo alemão da Sociedade Teosófica, foi patenteado em 1906 como Grande Mestre Delegado de um capítulo subordinado à O.T.O/Memphis/Mizraim e do Grande Conselho chamado Mystica Aeterna em Berlim. Steiner deu fundação à Sociedade Antroposófica em 1912 e encerrou sua associação com Reuss em 1914.

Em 24 de junho de 1908, o Dr. Gérard Encausse (Papus, 1865 - 1916) organizou uma "Conferência Maçônica e Espiritualista Internacional" em Paris, à qual Reuss compareceu. Nesta conferência, Encausse recebeu, sem pagamento, uma patente de Reuss para estabelecer um "Supremo Grande Conselho Geral dos Ritos Unidos da Antiga e Primitiva Maçonaria para o Grande Oriente da França e suas Dependências em Paris". No ano anterior Encausse, juntamente com Jean Bricaud (1881 - 1934) e Luis-Sophrone Fugairon (n. 1846), havia organizado a Églaise Catholique Gnostique, a Igreja Gnóstica Católica, como um cisma da Église Gnostique, uma igreja neo-Albingense fundada em Paris em 1890 por Jules Dionel (1842 - 1903). Acredita-se que Reuss recebeu consagração episcopal e autoridade primal na Églaise Catholique Gnostique de Encausse e Bricaud nesta conferência. O envolvimento de Encausse com a O.T.O., per se, é incerto.

Ainda nesta conferência o Dr. Arnold Krumm-Heller (Huiracocha, 1879 - 1949) recebeu uma patente de Reuss como representante oficial para a América Latina. Krumm-Heller desenvolveu sua própria ordem, chamada Fraternitas Rosacruciana Antiqua (F.R.A.). De acordo com seu filho, Parsival, ele nunca fundou Lojas da O.T.O. ou indicou qualquer oficial da O.T.O.

Reuss e Crowley

Como um jornalista, Reuss viajava freqüentemente à Inglaterra. Em uma destas viagens ele conheceu Aleister Crowley (Baphomet, 12/10/1875 - 01/12/1947), o qual foi admitido aos três primeiros graus da O.T.O. em 1910. Em 21 de abril de 1912 Reuss deu a Crowley uma patente, gratuitamente, indicando-o como Grande Mestre Nacional Geral X° da O.T.O. para a Grã-Bretanha e Irlanda. A indicação de Crowley incluía autoridade sobre os Ritos de língua Inglesa nos graus inferiores (maçônicos) da O.T.O., aos quais foi dado o nome de Mysteria Mystica Maxima, ou M.·.M.·.M.·..

Em primeiro de junho de 1912, uma Grande Loja Nacional para os países eslavos foi estabelecida por Czeslaw Czynski. Franz Hartman morreu em sete de agosto de 1912. Em setembro de 1912 Reuss publicou a "Edição de Jubileu" do "The Oriflamme", que foi a primeira edição a mencionar a O.T.O. em qualquer detalhe, e foi quase inteiramente devotada a assuntos da O.T.O. Kellner, Reuss e Crowley eram listados como membros de grau X° da O.T.O. Também em 1912 Crowley publicou o "Manifesto da M.·.M.·.M.·." no qual a M.·.M.·.M.·. foi identificada como a seção britânica da O.T.O., a qual "incluía todos os países onde o Inglês fosse largamente falado". A O.T.O. é descrita neste documento como

"...um corpo de iniciados em cujas mãos está concentrada a sabedoria e o conhecimento dos corpos seguintes:
  • A Igreja Gnóstica Católica.
  • A Ordem dos Cavaleiros do Espírito Santo.
  • A Ordem dos Illuminati.
  • A Ordem do Templo (Cavaleiros Templários).
  • A Ordem dos Cavaleiros de São João.
  • A Ordem dos Cavaleiros de Malta.
  • A Ordem dos Cavaleiros do Santo Sepulcro.
  • A Igreja Oculta do Santo Graal.
  • A Ordem Rosacruz
  • A Fraternidade Hermética da Luz.
  • A Sagrada Ordem da Rosa Cruz de Heredom.
  • A Ordem do Sagrado Arco Real de Enoch.
  • O Antigo e Primitivo Rito da Maçonaria (33 graus).
  • O Rito de Memphis (97 graus).
  • O Rito de Mizraim (90 graus).
  • O Antigo e Aceito Rito Escocês da Maçonaria (33 graus).
  • O Rito de Swedenborg da Maçonaria.
  • A Ordem dos Martinistas.
  • A Ordem de Sat Bhai,
  • A Ordem Hermética da Golden Down
  • e muitas outras ordens de mérito igual, se de menos fama."

O Manifesto da M.·.M.·.M.·. também deu o seguinte esquema de organização da Ordem:

A edição de setembro de 1912 do "The Oriflame" incluiu uma listagem similar de um sistema de dez graus:

Desta forma, em 1912, Crowley e Reuss haviam condensado o sistema da Arte e dos altos-graus maçons em um sistema viável de dez graus numerados que incorporava os ensinamentos e simbolismo de um certo número de sociedades ocultistas e místicas. Os três graus da Academia Maçônica de Kellner formavam os graus VII°, VIII° e IX° deste sistema. O décimo grau (X°), "Rex Summus Sanctissimus", ou "Supremus Rex", designava o Grão Mestre Geral Nacional da O.T.O para um determinado país, região ou grupo lingüístico. A suprema autoridade da Ordem, internacionalmente, era chamada de "Frater Superior" ou Cabeça Externa da Ordem ("Outer Head of the Order" - O.H.O.).

Os Grãos Mestres Gerais Nacionais tinham a autoridade para indicar seus próprios representantes, chamados "Vice-Reis", em outros países de mesmo idioma dominante. Vice-Reis podiam ainda serem levados ao X° pelo O.H.O. Dos Grãos Mestres Gerais Nacionais esperava-se que conduzissem os negócios da O.T.O. de acordo com a Constituição da O.T.O., mas em grande escala fora da supervisão diária do quartel-general internacional ou "Escritório Central".

O Manifesto da M.·.M.·.M.·. incluía fotografias da mansão de Crowley na Escócia, chamada de Boleskine, a qual servia como "Casa de Ofícios" da Ordem. Incluía também uma lista de taxas e mensalidades para cada grau, bem como uma lista de "taxas de afiliação", onde maçons poderiam afiliar-se diretamente no nível correspondente ao seu próprio grau na Maçonaria. Estas listas foram reimpressas na edição de 1914 de "The Oriflamme", junto com os títulos de graus do Manifesto de Crowley traduzidos para o Alemão.

Em 1912, o sistema da O.T.O., apesar de suas várias influências, permanecia principalmente maçônico. Na Edição de Jubileu de "The Oriflamme" Reuss definiu a O.T.O. como "uma ordem não pura e simplesmente maçônica, mas cada membro de nossa Ordem, homem ou mulher... deve proceder através dos graus de artesão da Maçonaria, mesmo aqueles dos mais altos-graus da Maçonaria, antes de serem iluminados e iniciados membros de nossa Ordem." Contudo, a Grande Loja Unida da Inglaterra, a quem Crowley tecnicamente devia aliança, objetou a aceitação de Graus de Artesão na Inglaterra fora de sua jurisdição e objetou a admissão de mulheres na Maçonaria. Ainda assim, Crowley incluiu o seguinte texto em seu Manifesto da M.·.M.·.M.·.:

"A O.T.O., ainda que uma Academia Maçônica, não é um Corpo Maçônico posto conceder os graus de artesão no sentido no qual esta expressão é normalmente entendida na Inglaterra; e assim não há conflitos com ou infração aos justos privilégios da Grande Loja Unida da Inglaterra"

Em 15 de fevereiro de 1913 Crowley adotou uma Constituição para a M.·.M.·.M.·., submetida à Constituição Geral da O.T.O. Em 19 de março de 1913, Crowley e Reuss unidos deram patente a James Thomas Windram(Mercurius, 1877 - 1939) como representante oficial da O.T.O. na África do Sul. Posteriormente, em 1913, visitando Moscou, Crowley compôs a Missa Gnóstica, a qual ele "preparou para o uso da O.T.O. a cerimônia central de sua celebração pública e particular, correspondendo à Missa da Igreja Católica Romana."

A I Guerra Mundial estourou em 28 de julho de 1914. Crowley mudou-se para Nova York em outubro deste mesmo ano; passando o ano seguinte trabalhando como escritor para os periódicos de George Sylvester Viereck, "The Fatherland" e "The International", e como editor-chefe posteriormente. Em dezembro de 1914, Crowley indicou Charles Stansfeld Jones (Parzival, 1886 - 1950) como Grão Inspetor Geral Soberano VII° e seu representante pessoal na cidade de Vancouver. Em março de 1915 Windram indicou Ernest W. T. Dunn VII°(Maximus) como Vice-Rei atuante para a Australásia.

Apesar de seu anterior anúncio sobre os Graus de Artesão, no Manifesto da M.·.M.·.M.·., Crowley permanecia inconfortável em relação às características maçônicas da O.T.O., por um adicional número de razões:

Por estas razões Crowley começou a preparar rituais revisados que poderiam propagar a significância da Arte e os altos-graus conscientemente e de forma dramática, que seriam próprios para a iniciação tanto de homens quanto de mulheres, que não infringiriam os privilégios da Grande Loja Unida da Inglaterra e que divulgariam os ensinamentos básicos de Thelema. Crowley assim o fez por volta de 1925 e adotou os rituais revisados para uso em sua própria seção da O.T.O., a M.·.M.·.M.·..

Crowley escreveu sobre estes rituais revisados a Arnold Krumm-Heller em 22 de junho de 1930:

"Reuss tinha o hábito de iniciar pessoas com meros esqueletos de rituais tomados daqueles da Maçonaria continental. Não havia, para deixar claro, nenhuma ordem ou decência neste procedimento. Ele percebia isto perfeitamente bem e era uma das razões pelas quais pedia-me para reconstruir o sistema de iniciação.
Eu fiz um estudo comparativo de numerosos rituais aos quais eu tive acesso, e produzi uma série que foi aperfeiçoada para, e incluindo o 6º grau (equivalente ao Kadosh) e estes foram trabalhados em Londres com o maior sucesso.
Devo fazer aqui uma pausa para apontar uma mudança essencial e fundamental que é necessária em qualquer ritual com o qual eu tenha algo a fazer que é a completa renúncia ao culto dos Deuses-Escravagistas. É impossível para um homem livre conhecer qualquer sistema que está ligado aos fetiches de selvagens cujo único motivo para ação é o medo nascido de sua própria ignorância."

Em 1915 ou 1916 Aleister Crowley escreveu "Uma Intimação a Respeito da Constituição da Ordem" (Liber CXCIV), que desenvolvia suas ideias sobre a Constituição da O.T.O. escritas por Reuss em 1906, a Constituição da M.·.M.·.M.·. de Crowley, de 1913, e seu Manifesto. Gérard Encausse morreu em 25 de outubro de 1916. Charles Détré (Téder, 1855-1918) sucedeu Encausse e aparentemente também recebeu o grau X° da O.T.O. para a França, mas faleceu apenas dois meses depois.

Em 1916 Reuss mudou-se para a Basiléia, na Suíça. Enquanto estava lá, ele estabeleceu uma "Grande Loja e Templo Místico Anacional" da O.T.O. e a Irmandade Hermética da Luz em Monte Verità. Monte Verità era uma comunidade utópica perto de Ascona, fundada em 1900 por Henri Oedenkoven e Ida Hofmann, que funcionava como um centro para o qual o historiador James Webb chamaria mais tarde a "Contra Cultura Progressista".

Em 22 de janeiro de 1917 Reuss publicou um manifesto para sua Grande Loja Anacional, a qual foi chamada Verità Mystica. Na mesma data, publicou uma versão revisada de sua Constituição da O.T.O. de 1906, com uma "Sinopse dos Graus" e um resumo "Mensagem de Mestre Therion" em anexo. Nesta constituição revisada Reuss incluiu muitos dos tópicos da Constituição da M.·.M.·.M.·. de Crowley, de 1913. Contudo, neste documento, como em muitos dos documentos de Reuss sobre a O.T.O., ele enfatizava o caráter maçônico da Ordem.

Em maio de 1917, a Loja de Crowley na Inglaterra foi invadida e fechada pela polícia, sob a alegação de mandado contra "leitura da sorte" contra um de seus membros. Entretanto, o trabalho de Crowley para a publicação anti-britânica de Viereck "The Fatherland" pode ter levado as autoridades a suspeitarem de atividades anti-patrióticas na Loja de Crowley. Todos os arquivos da Loja foram apreendidos. Crowley foi forçado a temporariamente abdicar do cargo de Grão Mestre em favor de C. S. Jones para facilitar a situação dos membros remanescentes. A Loja nunca foi completamente restaurada.

Em Ascona, Reuss organizou um "Congresso Anacional pela Organização da Reconstrução da Sociedade em Práticas Linhas Cooperativas ", em Monte Verità, de 15 a 25 de agosto de 1917. Este Congresso incluiu leituras das poesias de Crowley (em 22 de agosto) e a récita da Missa Gnóstica de Crowley (em 24 de agosto - apenas para membros da O.T.O.). O anúncio do Congresso declarava: "Há dois centros da O.T.O., ambos em países neutros, onde pesquisadores podem ser encontrados por aqueles interessados nos objetivos deste congresso. Um é em Nova York (Estados Unidos da América), o outro é em Ascona (Suíça Italiana)." Crowley estava vivendo em Nova York nesta época; assim, evidentemente, ele e Reuss eram os únicos Cabeças Nacionais ativos da O.T.O. em 1917.

Reuss pediu que sua secretária, "J. Adderley" (Isabel Adderley Oedenkoven), enviasse uma cópia do anúncio, juntamente com uma cópia do Manifesto da M.·.M.·.M.·. de Crowley à Grande Loja Unida da Inglaterra, na esperança de que a Grande Loja enviasse representantes. Isto não ocorreu, mas Willian Hammond, o Bibliotecário da Grande Loja, escreveu a Reuss após o congresso e pediu mais informações. Durante a correspondência de Reuss com Hammond, Reuss lembrou-o que haviam se encontrado 1913/14, e Reuss havia dado a ele cópias de "The Oriflamme" e do "Equinox" de Crowley, o qual, havia dito, "dava detalhes sobre a O.T.O.".

Reuss estava claramente impressionado com Thelema. A Missa Gnóstica de Crowley, a qual Reuss traduzira para o alemão e fora recitada em seu Congresso Anacional em Monte Verità, é um ritual explicitamente telêmico. Em uma carta sem data para Crowley (recebida em 1917), Reuss fala excitadamente que havia lido "A Mensagem de Mestre Therion" para seu grupo em Monte Verità e que estava traduzindo o Livro da Lei para o Alemão. E ainda, "deixe esta notícia encorajá-lo! Estamos vivenciando seu Trabalho!!!"

Em 24 de outubro de 1917, Reuss entregou uma patente a Rudolf Laban de Laban-Varalya (1879 - 1958) e Hans Rudolf Hilfiker-Dunn (1882 - 1955) para operar uma Loja de Grau III° da O.T.O. em Zurique, chamada Libertas et Fraternitas. Em três de novembro de 1917, de Laban tornou-se Grande Mestre da Grande Loja Anacional Verità Mystica. Mais tarde, naquele mês, ele fechou a Verità Mystica e transferiu seu centro de operações para Zurique. Em março de 1918 Crowley publicou a Missa Gnóstica no "The International". Reuss publicou sua tradução para o Alemão da Missa Gnóstica no mesmo ano.

Em uma nota no fim de sua tradução da Missa Gnóstica, Reuss referia-se a si próprio, simultaneamente, como Soberano Patriarca e Primaz da Igreja Católica Gnóstica, e Legado Gnóstico na Suíça para a Église Gnostique Universelle, dando a conhecer Jean Bricaud (1881 - 1934) como Soberano Patriarca daquela igreja. A publicação deste documento pode ser vista como o nascimento da E.G.C. como uma organização independente, sob a tutela da O.T.O., com Reuss como seu primeiro Patriarca.

A I Guerra Mundial terminou em 11 de novembro de 1918. De Laban deixou a Suíça em novembro. Em fevereiro de 1919 a Loja Libertas et Fraternitas rompeu sua ligação com a O.T.O. e tornou-se estritamente uma Loja Maçônica. Posteriormente regularizou-se sob a Grande Loja Suíça Alpina. Embora nenhum corpo da O.T.O. tenha restado na Suíça, Reuss continuou a conferir graus da O.T.O. a indivíduos. Enquanto Reuss persistia em afirmar a autoridade maçônica da O.T.O., Crowley continuava a afastar a M.·.M.·.M.·. da Maçonaria. Em outubro de 1918, Crowley preparou outra substancial revisão dos rituais internos da Ordem, desta vez abandonando o termo "Maçonaria" e os característicos emblemas, signos, identificadores etc., dos graus da Arte. Ele apresentou seus rituais revisados a Reuss para a adoção pela Ordem como um todo. Em março de 1919 Crowley publicou seu "The Equinox, Volume III, No. I" (o "Equinox Azul"), o qual continha uma série de importantes documentos da O.T.O., incluindo:

O Liber LII: O Manifesto da O.T.O. de Crowley foi baseado quase que palavra por palavra no Manifesto da M.·.M.·.M.·. de 1913. Saudações telêmicas foram adicionadas, referências aos oficiais foram atualizadas, referências aos "guinéus" foram convertidas a seus equivalentes em dólares, os nomes de duas organizações contribuintes foram apagados (a Ordem Rosacruciana e a Ordem Hermética da Golden Dawn); a tabela de taxas e as fotografias de Boleskine foram retiradas e a frase "Ela [a O.T.O.] de forma alguma infringe os justos privilégios de qualquer Corpo Maçônico autorizado" foi adicionada após a listagem de organizações contribuintes, e o anúncio maçônico acima citado foi mudado para:

"A O.T.O., embora uma Academia Maçônica, não é um Corpo maçônico posto não serem os 'segredos' entendidos da mesma forma na qual aquela expressão é normalmente compreendida; e então de nenhuma maneira conflitos com, ou infração dos privilégios justos da Grande Loja Unida da Inglaterra, ou qualquer Grande Loja na América ou de outra parte que seja reconhecida por ela [a G. L. U. da Inglaterra]."

Em 10 de maio de 1919, Reuss outorgou uma Patente a Hans Rudolph Hilfiker, Dr. E. Pargaetzi, R. Merlitscheke M. Bergmaier para formarem um Supremo Conselho do Rito Escocês de Cernau na Suíça, em Zurique. Na mesma data Reuss concedeu um documento chamado "Medida de Amizade" a Matthew McBlain Thomson, fundador da aziaga "Federação Maçônica Americana". O documento reconheceu Thomson como Membro de Grau IX° da O.T.O. Em 18 de setembro de 1919, Reuss foi reconsagrado por Bricaud pelo recebimento da "Sucessão da Antióquia" e re-apontado como "Legado Gnóstico" na Suíça para a Église Gnostique Universelle de Bricaud.

Crowley retornou à Inglaterra em dezembro de 1919. Em 1920, Reuss publicou seu "Programa de Construção e Princípios-Guia para os Gnósticos Neo-Cristãos: O.T.O.". Neste documento Reuss apresenta suas ideias para uma (altamente regulamentada) sociedade utópica. Os princípios desta sociedade eram para serem baseados nas ideias de Thelema (o Livro da Lei e aforismos de Mestre Therion eram citados e explicados); juntamente com ideias mais tradicionais do Rosacrucianismo, Gnosticismo e Yoga; e as ideias sócio-políticas "progressistas" prevalecentes em Monte Verità.

Em 17 de julho de 1920, Reuss participou do Congresso da "Federação Mundial da Maçonaria Universal", ocorrido na Loja Libertas et Fraternitas, em Zurique. Esta conferência foi realizada para complementar a "Conferência Internacional Maçônica e Espiritualista" de Papus em Paris, de 1908. Reuss, com autorização de Bricaud, advogou pela adoção da religião da Missa Gnóstica de Crowley como a "religião oficial de todos os membros da Federação Mundial da Maçonaria Universal possuidores do 18° do Rito Escocês". Os esforços de Reuss neste sentido falharam, e ele discutiu com Matthew McBlain Thomson (que fora eleito Presidente Honorário da Federação Maçônica Internacional) acerca de assuntos de jurisdição. Reuss abandonou o congresso após o primeiro dia.

C. S. Jones havia abdicado da O.T.O. em 1919, mas continuou a corresponder-se com Reuss e, em 10 de maio de 1921 Reuss designou Jones como X° para os Estados Unidos da América do Norte. Na mesma data designou Heinrich Tränker (Recnartus, 1880 - 1956), que liderava várias organizações esotéricas dentro de um movimento chamado "Pansophia", como X° para a Alemanha.

Em 30 de julho de 1921 Reuss emitiu outro "Gauge of Amity", desta vez para H. Spencer Lewis, o fundador da A.M.O.R.C., a organização Rosacruciana baseada em San Jose (Califórnia / EUA). Este documento também reconhecia Lewis como um membro Grau VII° da O.T.O. Crowley havia conhecido Lewis antes, em 1918, na cidade de Nova York, e não ficou impressionado com ele. Reuss retornou à Alemanha em setembro de 1921, estabelecendo-se em Munique. Em 3 de setembro de 1921 Reuss patenteou Carl William Hansen (Kadosh, 1872 - 1936) como X° para a Dinamarca. Em outubro de 1921, dada a abdicação de Dunn, Crowley apontou Frank Bennett (Dionysus, 1868 - 1930) como Vice-Rei da Austrália.

A Sucessão de Crowley

Há algumas razões para acreditar que Reuss sofreu um ataque na primavera de 1920, mas isto não está inteiramente certo. Crowley escreveu a W. T. Smith em março de 1943:

"o antigo O.H.O., após este primeiro ataque de paralisia, entrou em pânico pelo trabalho a ser realizado... Ele rapidamente emitiu diplomas honorários do Sétimo Grau a várias pessoas, algumas das quais não tinham direito a nada e alguns deles eram apenas recursos baratos."
Logo após apontá-lo como seu Vice-Rei para a Austrália, Crowley parece haver correspondido-se com Frank Bennett e discutido com ele suas dúvidas acerca da habilidade de Reuss em, efetivamente, continuar a governar a Ordem. Parece que Reuss descobriu esta correspondência; ele escreveu para Crowley uma furiosa resposta defensiva em 9 de novembro de 1921, na qual ele parecia distanciar-se e à O.T.O. de Thelema, a qual ele havia, como visto acima, abraçado. Crowley respondeu à carta de Reuss em 23 de novembro de 1921 e afirmou em sua carta: "É de minha vontade ser o O.H.O. e Frater Superior da Ordem e espero a sua renúncia - para proclamar-me como tal." Ele assinou a carta como "Baphomet O.H.O.". No registro de seu diário de 27 de novembro de 1921 Crowley escreveu: "Eu proclamei a mim mesmo como Frater Superior O.H.O. da Ordem dos Templários Orientais." Reuss morreu em 28 de outubro de 1923 e.v..

Em suas "Confissões" Crowley diz que Reuss "abdicou do título [de O.H.O.] em 1922 em meu favor." Em uma carta a Heinrich Tränker, datada de 14 de fevereiro de 1925, Crowley escreveu o seguinte:

"Reuss era de temperamento incerto, e de muitas formas intratável. Em seus últimos anos ele parece ter perdido completamente seu juízo, chegando a acusar o Livro da Lei de ter tendências comunistas, ideia que não poderia ser mais absurda. Ainda assim parece ter tomado algumas decisões acertadas, como ter apontado a você e a Frater Achad, e designado a mim, em sua última carta, como seu sucessor."

Em uma carta a Charles Stansfeld Jones, datada Sol in Capricornius, Anno XX (12/1924 - 01/1925), Crowley disse: "na última carta do O.H.O. para mim ele convidou-me a ser seu sucessor como O.H.O. e Frater Superior." A carta de Reuss designando Crowley como seu sucessor como O.H.O. jamais foi encontrada, mas nenhum documento crível surgiu indicando que Reuss havia designado qualquer sucessor alternativo.

A O.T.O. Dirigida por Crowley

Uma Nova Era

Aleister Crowley atuou como Cabeça Externa da Ordem de 1922 até sua morte em dezembro de 1947. O primeiro ato de Crowley como O.H.O. foi reconfirmar as patentes de Jones e Tränker como Grandes Mestres para a América do Norte e Alemanha, respectivamente. Tränker, por recomendação de Jones, convidou Crowley a formalmente assumir a liderança da O.T.O., bem como de várias outras organizações, incluindo o movimento Pansophico, em uma conferência que ocorreria em Hohenleuben, perto de Weida, no verão de 1925. Os outros participantes da conferência eram: Heinrich e Helene Tränker, Karl Germer (Saturnus, 22/01/1885 - 25/10/1962) - nesta época secretário e editor de Tränker -, Albin Grau, Eugen Grosche, Martha Künzel, Henri Birven, um cavalheiro chamado Hopfer, Crowley e seus associados Dorothy Olsen, Leah Hirsig, Norman Mudd, e outros.

Os resultados desta conferência foram vários. Os participantes ficaram divididos sobre os ensinamentos de Crowley e o Livro da Lei, o qual era largamente desconhecido (apenas recentemente fora traduzido para o Alemão). Ocorreram conflitos pessoais também. Fraulein Künzel e Herr Germer postaram-se ao lado de Crowley. Herrn Tränker, Grau, Hopfer e Birven decidiram manter a Loja Pansophica independente de Mestre Therion. Herr Grosche, originalmente ladeou-se a Crowley, mas ele e Germer brigaram, e Grosche decidiu permanecer independente. Após o fechamento da Loja Pansophica, em 1926, Grosche reagrupou alguns ex-Pansophistas para fundar a Fraternitas Saturni. A Fraternitas Saturni reconheceu o status de Crowley como um profeta e aceitou a Lei de Thelema de uma forma modificada, mas Grosche insistiu em manter-se independente da O.T.O. e sob sua própria autoridade, e não de Crowley. A Fraternitas Saturni ainda atua na Alemanha, Canadá e outros países e não se apresenta como sendo a O.T.O.

Tränker aparentemente tentou obter para si o título de O.H.O. da O.T.O. em 1925, mas parece não ter sido largamente reconhecido como tal e cessou seus esforços neste sentido em 1930, quando ele e H. Spencer Lewis começaram juntos a trabalhar diretamente (mas sem sucesso) para o estabelecimento de um ramo alemão da A.M.O.R.C.

A Loja Agapé

A Loja Agapé N° 1 foi fundada em 1915, em Vancouver (Colúmbia Britânica/Canadá), sob a autoridade de Jones e Crowley. Nos anos 30, Wilfred Talbot Smith (1885 - 1957), um membro patenteado da Loja Agapé N° 1 mudou-se de Vancouver com instruções de Crowley para trabalhar com Jane Wolfe (1975 - 1958), que havia sido uma estudante de Crowley em Cefalú, de modo a estabelecer a Loja Agapé N° 2 em Los Angeles (Califórnia/EUA). Smith e Wolfe uniram um grupo em Hollywood, Califórnia, e, juntamente com Regina Kahl (1891 - 1945), começaram a celebrar a Missa Gnóstica semanalmente em um domingo, 19 de março de 1933. A Loja Agapé N° 2 teve seu primeiro encontro em 1935. A Loja Agapé contribuiu grandemente com os esforços de Crowley para suas publicações e Crowley apontou Smith (Ramaka) como X° para os E.U.A. Posteriormente a Loja Agapé N° 2 mudou-se para Pasadena, Califórnia, e foi liderada por John W. "Jack" Parsons (Belarion, 1914 - 1952), um respeitado engenheiro químico e pioneiro aeroespacial. Parsons foi um dos fundadores tanto do California Institute of Technology's Jet Propulsion Laboratory (Laboratório de Propulsão a Jato do Instituto de Tecnologia da Califórnia) quanto do Aerojet General (Laboratóro Aerojato Geral, do Instituto de Tecnologia da Califórnia).

Karl Germer

Quando a II Guerra Mundial estourou em 1939, as comunicações internacionais foram cada vez mais interrompidas e as viagens de civis eram limitadas. Crowley ficou muito dependente de seus representantes estrangeiros, estando impossibilitado de viajar ele mesmo. Karl Germer, o representante alemão de Crowley, foi preso pela Gestapo e confinado em um campo de concentração nazista por "buscar discípulos para o residente estrangeiro, maçon de alto grau, Crowley". Solto logo graças aos esforços do cônsul norte-americano, Germer viajou para os Estados Unidos onde, como Grande Tesoureiro Geral e segundo em comando além de Crowley, conduziu vários negócios da O.T.O. Em 14 de março de 1942 Crowley escreveu a Germer: "Devo indicá-lo como meu sucessor como O.H.O. [...] Uma completa mudança na estrutura da Ordem e seus métodos é necessária. O segredo é a base, e você deve selecionar cuidadosamente as pessoas." Os outros ramos europeus da O.T.O. foram grandemente destruídos ou mantidos na contra cultura durante a Guerra. Os ramos latino-americanos da F.R.A. de Krumm-Heller mantiveram um discreto contato com Germer até o princípio da década de '60.

Ao final da II Guerra Mundial, em 1945, apenas a Loja Agapé em Pasadena, Califórnia, ainda funcionava. Haviam iniciações isoladas da O.T.O. em várias partes do mundo. Apesar de Crowley receber visitas de membros da O.T.O. na Inglaterra nenhum trabalho foi conduzido desde o ataque policial em 1917. As iniciações foram muito raras fora da Califórnia. Krumm-Heller, no México, conduzia iniciações da O.T.O. mas enviou um candidato, Dr.Gabriel Montenegro (Frater Zopiron ou Theophilos) à Califórnia para iniciar-se.

Grady McMurtry

Durante a II Guerra Mundial, dois membros da O.T.O. Californiana, Grady Loius McMurtry (18/10/1918 - 12/07/1985) e Frederick Mellinger (Merlinus, 1890 - 1970) - originalmente um refugiado da Alemanha nazista - viajaram à Europa em tarefas militares. McMurtry já havia estado lá e visitado Crowley em várias ocasiões. Mellinger visitou Crowley após McMurtry haver retornado aos Estados Unidos.

Houve um bom entendimento entre Crowley e McMurtry, e Crowley respeitou a experiência militar de McMurtry. Em 1943 Crowley pessoalmente conferiu o IX° da O.T.O. à McMurtry e fez dele Grande Inspetor Geral Soberano da Ordem, dando-lhe o nome mágico que usaria a partir de então: Hymenaeus Alfa 777.

Em 1944, Crowley começou a discutir com McMurtry a possibilidade de ele assumir o "Califado". Crowley escreveu a McMurtry em 28 de setembro de 1944: "Espero que você prefira meu plano para sua carreira como meu Fides Achates, alter ego, Califa & assim por diante." Em 21 de novembro de 1944 ele escreveu novamente a McMurtry:

"'O Califado'. Você deve perceber que não importa o quão intimamente observemos olho-a-olho em qualquer assunto objetivo, eu devo pensar em premissas totalmente diferentes daquelas concernentes à Ordem. Uma das (surpreendentemente poucas) ordens que me foram dadas foi 'não confie em um estranho: não falhe com um herdeiro'. Isto tem sido muito maligno para mim. Fr.·. [Saturnus] é, claro, o Califa natural; mas há muitos detalhes acerca da real política ou trabalho que escapam a ele. Em todo caso, ele pode apenas ser um substituto, por causa da sua idade; tenho que procurar seu sucessor. Isto tem sido um Inferno; tantos têm vindo com promessas maravilhosas, apenas para cair nas pedras. [...] Mas - e aqui é que você tem perdido meu ponto de todo - eu não penso em você deitado em uma encosta verdejante com adoráveis carneiros, tocando uma flauta! Ao contrário. Sua vida verdadeira, ou 'sangramento', é o tipo de iniciação que busco como base primordial para o Califa. - Para - digamos 20 anos - por isso o Cabeça Externo da Ordem deve, entre outras coisas, ter tido a experiência da guerra como ela realmente é de fato presentemente."

O título "Califa", ainda que referindo-se de alguma forma ao senso de humor de ambos os homens como uma trocadilho com uma abreviação para "Califórnia" (local de residência de McMurtry e localização da Loja Agapé), provém da palavra árabe Khalifa, significando "delegado". Foi historicamente utilizada no antigo Islã para designar o sucessor do Profeta, o comandante mundial da Fé Islâmica. O uso por Crowley do termo, aplicado a Germer e McMurtry, era paralelo para a O.T.O.

Em 1946, Crowley incumbiu McMurtry com documentos de autorização emergencial para tomar o controle de todo o trabalho da Ordem na Califórnia, o que incluía o único Corpo funcional da O.T.O. naquela época. Crowley também apontou McMurtry como seu representante pessoal nos E.U.A., cuja autoridade deveria ser considerada como a do próprio Crowley. Estas duas patentes, datadas respectivamente de 22 de março de 1946 e 11 de abril de 1946, necessitavam apenas da aprovação, veto ou revisão de Karl Germer. Germer foi muito bem informado das patentes de McMurtry por Crowley, posto haver comparecido ao encontro da Loja Agapé no qual McMurtry foi-lhe apresentado. Além disto, em uma carta a Germer datada de 19 de junho de 1946, Crowley informava a Germer que "a única limitação de seu [McMurtry] poder na Califórnia é que qualquer decisão que tome está sujeita à sua revisão ou veto" o que removia a necessidade de uma prévia autorização por Germer.

Em seis de junho de 1947 Crowley escreveu a Germer:

"Você parece em dúvida quanto à sucessão. Nunca houve quaisquer questão a este respeito. Desde sua reaparição você é o único sucessor em que tenho pensado até este momento. Tenho, de qualquer forma, tido a ideia de que, tendo-se em vista a dispersão de tantos membros, você deveria achar útil apontar um triunvirato para trabalhar sob seu comando. Minha ideia é Mellinger, McMurtry e, eu suponho, Roy [Leffingwell], apesar de eu ter estado um pouco duvidoso em relação à lealdade deste último."

Em 17 de junho de 1947, seis meses antes de sua morte, Crowley escreveu a McMurtry e informou-o de que apesar de Germer ser seu sucessor como Cabeça da O.T.O., McMurtry deveria preparar-se para suceder Germer.

Crowley, apesar de confiar na habilidade de Karl Germer em governar a Ordem como seu sucessor, evidentemente não confiava em sua habilidade de encontrar e designar um sucessor apropriado para si mesmo. No que parece ter sido uma medida de contingência adicional para a possibilidade de McMurtry morrer ou ficar incapacitado, Crowley também avisou a Mellinger para que se mantivesse pronto como um possível sucessor de Germer, em uma carta datada de 15 de julho de 1947. De qualquer forma, Mellinger nunca recebeu os avisos dados a McMurtry e Crowley nunca usou o termo "Califa" em relação a Mellinger.

A O.T.O. Dirigida por Germer

Um Legado a Ser Mantido

Crowley morreu em 1° de dezembro de 1947 e, de acordo com sua vontade, Karl Germer tornou-se O.H.O. da O.T.O., atuando do final de 1947 até sua morte em 1962. A Loja Agapé continuou no sul da Califórnia até 1949, após o que a Loja cessou seus encontros regulares. Os registros da Loja Agapé, consistindo nas atas das reuniões, cópias da anotações de rituais, listas de membros iniciados em vários graus na O.T.O., correspondência e registros financeiros, foram conservados por Jane Wolfe e vários membros da Loja.

Seguindo-se à morte de Crowley, seu testamento foi executado e os executores começaram a enviar o espólio a Germer. Germer recebeu a maior parte do material do espólio de Crowley e, eventualmente, levou-o consigo para sua residência final em Westpoint (Califórnia/USA).

Germer era um homem quieto e recluso, acima de tudo interessado na publicação dos escritos de Crowley. Vários membros da O.T.O. ajudaram-no neste sentido, mas, ainda que tendo havido a promoção dos já iniciados, nenhuma nova iniciação se deu. Germer notificou McMurtry e outros que a O.T.O. seria incorporada e governada por um triunvirato de oficiais, mas esta incorporação jamais foi efetivada sob a liderança de Germer na O.T.O. Germer patenteou um Acampamento inglês da O.T.O. sob a direção de Kenneth Grant (nas. 1924), um membro de grau III°, mas fechou o Acampamento e expulsou Grant da O.T.O. em 20 de julho de 1955, quando descobriu que Grant havia associado-se à Fraternitas Saturni de Grosche, havia circulado um manifesto para uma nova loja da O.T.O. sob a reunida autoridade de Germer e Grosche, e havia começado a modificar os rituais da O.T.O. sem dar notícia a Germer.

Germer também tomou interesse pelos esforços de Hermann Metzger (Paragranus, 1919 - 1990) na Suíça. Metzger era um estudante de um dos membros sobreviventes da seção suíça de Reuss da O.T.O., chamado Felix Lazerus Pinkus (1881 - 1947), mas sem ligações com a O.T.O. de Crowley. Germer pediu a Mellinger que supervisionasse a regularização de Metzger dentro da O.T.O. de Crowley, mas Germer e Metzger caíram em discórdia ao final da vida de Germer. Frederic Mellinger escreveu, após a morte de Germer, que Metzger havia falhado em seguir o programa de instruções estabelecido para ele por Germer sob a tutela de Mellinger. De acordo com uma fonte, Metzger alegava ter patenteado Gabriel Montenegro como X° para os Estados Unidos. De qualquer forma, Montenegro nunca alegou tal autoridade e jamais mencionou quaisquer nomeação de Metzger para seus colegas da O.T.O. nos E.U.A.

Os membros da O.T.O. na Califórnia buscaram ativamente influenciar Germer para que este reabrisse o acesso das pessoas à O.T.O. Foi expressado em correspondências a preocupação de que a não iniciação de novos membros da O.T.O. resultaria na completa dissolução da Ordem. Em 1959, McMurtry foi chamado a uma reunião em Los Angeles, à qual os membros da Loja Agapé e outros foram convidados, com o propósito de tentar criar uma frente unificada para pressionar Karl Germer em retomar iniciações da O.T.O. McMurtry estava pronto a invocar as autorizações dadas a ele por Crowley para dar suporte à sua ideia. Dr. Montenegro opôs-se à ideia e os outros não lhe deram nenhum suporte; a ideia foi abandonada. Montenegro escreveu a McMurtry em 21 de novembro de 1960 para documentar sua oposição à ideia.

Germer autorizou McMurtry a formar um núcleo de um novo acesso público à O.T.O., mas Germer e McMurtry discordaram acerca de um empréstimo pessoal e outros assuntos. Quaisquer diferenças que tivessem, jamais houve a mínima sugestão de que Germer tenha considerado vetar ou revisar as patentes dadas a McMurtry por Crowley. McMurtry perdeu seu emprego na Califórnia devido a problemas de saúde e mudou-se para Washington (E.U.A., capital) em março de 1961. Lá ele lecionou Ciências Políticas na George Washington University (Universidade George Washington) enquanto trabalhava como analista para o governo norte-americano. Também dirigiu a Washington Shakespeare Society (Sociedade Shakespeare de Washington).

Interregnum

Dificuldades

Germer morreu em 25 de outubro de 1962 sem designar um sucessor. O testamento de Germer nomeava sua esposa, Sascha, e Frederick Mellinger como os executores de seu espólio, na forma de propriedade mantida para a O.T.O. Sascha era uma senhora de idade avançada com a mente já comprometida, afastada dos membros remanescentes da O.T.O. na Califórnia. O espólio de Germer nunca foi avaliado. Alguns membros graduados, incluindo Grady McMurtry, não foram notificados da morte de Germer por vários anos, causando um grande atraso antes que a questão da sucessão na liderança da O.T.O. fosse resolvida apropriadamente.

Metzger, na Suíça, publicou uma alegação de ser o Cabeça Externa da Ordem, baseada em uma eleição particular que teria se dado no dia seis de janeiro de 1963, na própria Suíça. Membros graduados da O.T.O. de fora da Suíça, inclusive Frederick Mellinger, que havia sido indicado por Germer como mentor de Metzger, não haviam sido informados da suposta eleição de Metzger até esta alegação. Uma cópia do manifesto de Metzger foi enviada a Wilfred Smith, que estava morto desde 1957. Metzger não foi aceito amplamente como Cabeça da Ordem fora de seu próprio grupo. Sascha fez uma tentativa de enviar o material de Germer da O.T.O. para Metzger mas foi impedida por uma carta de Mellinger datada de 25 de setembro de 1963, que denunciava Metzger como uma fraude. Metzger, posteriormente, incorporou seu sistema de O.T.O. como parte de uma nova organização de sua própria formação, a Ordo Illuminatorum, a qual pretendia ser um reviver da ordem dos Illuminati. Metzger morreu em 1990.

Kenneth Grant (n. 1924) também tentou alegar ser o Cabeça Externa da Ordem; mas ele havia sido anteriormente expulso por Germer. Grant colocou em disputa sua expulsão, alegando que jamais havia reconhecido Karl Germer como Cabeça da O.T.O. Mesmo assim, os próprios escritos de Grant nos anos 50, em particular o manifesto da Loja Nova Ísis, referem-se a Frater S (Saturnus, i. e. Karl Germer) como cabeça internacional da O.T.O. A organização de Grant diz que a O.T.O. cessou de ser uma organização de membros no sentido tradicional de ter Lojas e conferir graus cerimonialmente. A organização de Grant também ignora a Missa Gnóstica, que é, de acordo com Crowley, "a cerimônia central das celebrações públicas e particulares [da O.T.O.]."

A O.T.O. Dirigida por McMurtry

Tempo de Expansão

Quando McMurtry apercebeu-se da condição crítica na qual havia caído a Ordem após a morte de Germer, ele foi impelido a utilizar seus documentos de emergência dados por Crowley e assumir o título de "Califa da O.T.O.", tal como especificado nas cartas de Crowley para ele na década de 40. Para as duas testemunhas que ele acreditava necessárias para tal ato, escolheu o Dr. Israel Regardie (1907 - 1985) e Gerald Yorke (1901 - 1983). McMurttry referiu-se a estes dois como os "Olhos de Hórus", como os dois mais proeminentes estudantes de Crowley sobreviventes. Ele avisou-os de seus planos de reconstruir a O.T.O. usando as cartas-patentes de Crowley e requisitou sua ajuda, a qual foi oferecida. McMurtry completou a ativação de seu Califado em junho de 1969, com um carta ao suíço Hermann Metzger.

Após a ativação do Califado, os restantes membros da O.T.O. dos anos de Crowley e Germer foram convidados a unir-se a McMurtry de modo a continuar as operações regulares da O.T.O. Nesta época havia menos que uma dúzia de membros sobreviventes da antiga O.T.O. nos Estados Unidos. Soror Meral, Soror Grimaud, Mildred Burlingame e Gabriel Montenegro colocaram seu desejo de ver a O.T.O. aberta ao público em geral. Ray Burlingame havia morrido alguns anos atrás e o Dr. Montenegro morreu em 14 de julho de 1969, antes que um encontro organizacional pudesse ser consumado. Frederick Mellinger havia restabelecido contatos com a Sociedade Teosófica e estava, essencialmente, inativo na O.T.O. desde, aproximadamente, 1956, exceto por sua carta bloqueando o envio dos bens de Germer a Metzger em 1963. Mellinger morreu em 29 de agosto de 1970. Em 1969 e 1970 McMurtry, Burlingame e as Sorores Meral e Grimaud começaram a efetuar iniciações. Em 28 de dezembro de 1971 a Ordo Templi Orientis Association (Associação Ordo Templi Orientis) estava registrada no Estado da California como uma entidade legal.

Sacha Germer morreu em abril de 1975 e em 1976, quando sua morte tornou-se conhecida, a O.T.O. Association obteve uma ordem judicial para que lhe fossem entregues os arquivos da O.T.O. remanescentes que estavam ainda sob sua custódia. Esta ordem foi executada, reconhecendo-se Grady McMurtry como representante autorizado da O.T.O., pela Corte Suprema do Condado de Calaveras, estado da Califórnia (E.U.A.), datada de 27 de julho de 1976.

Dirigida por McMurtry, como Califa ou Cabeça atuante da O.T.O., várias tentativas foram feitas para se atraírem novos membros para a O.T.O. e para tornar a Ordem conhecida pelo público. Em 1970, a O.T.O. publicou as cartas do Tarot de Thoth, ilustradas por Lady Frieda Harris, pelo endereço de Dublin (Califórnia/E.U.A.) A resposta foi lenta, mas alguns poucos novos membros foram iniciados através dos esforços centrados em Dublin, no Colégio deThelema, e em São Francisco (Califórnia/ E.U.A.), na Kaaba Clerk House. A atividade em São Francisco colapsou e um dos novos membros abdicou. A atividade continuou por dois anos em Dublin e então foi transferida pra Berkeley (Califórnia/E.U.A.).

Em 1977, McMurtry manteve iniciações da O.T.O. em sua casa, em Berkeley e começou um grupo lá. A O.T.O. foi colocada sob as leis do Estado da Califórnia em 26 de março de 1970 e.v.. Aqueles que alegavam ser membros ou eram conhecidos como membros antigos foram comunicados da formação desta nova corporação e foi-lhes dado um período para requererem a permanência como membros, de acordo com o precedente anterior estabelecido por Karl Germer. A corporação foi colocada sob as leis de taxação norte-americanas como entidade religiosa em 1982.

Desafios na Corte

Um esforço considerável por Marcelo Ramos Motta (1931 - 1987) foi feito para assumir o controle da O.T.O. com o nome de Sociedade Ordo Templi Orientis. Motta havia sido um discípulo pessoal de Karl Germer na A.·.A.·. por alguns anos, mas jamais obteve formalmente uma patente para iniciar ou abrir uma Loja. De fato, ele jamais foi formalmente iniciado na O.T.O. Após a morte de Germer, Motta proclamou-se como sucessor de Germer e formou um grupo thelêmico em seu país natal, o Brasil. Motta havia primeiro reconhecido Kenneth Grant como cabeça da O.T.O., mas rescindiu este reconhecimento ao saber que Grant havia sido expulso por Germer. Motta terminou indo aos Estados Unidos para reclamar os direitos autorais sobre as obras de Crowley. Ele primeiro processou a Samuel Weiser, Inc., editora de muitos dos trabalhos de Crowley por quebra de direitos autorais, alegando ser ele o único representante da O.T.O. de Crowley. Este caso foi decidido em favor da Samuel Weiser, Inc. pela Corte do Distrito do Maine (E.U.A.). O juiz deu o parecer de que não haviam provas legais das representações de Motta concernentes à O.T.O. A O.T.O., enquanto dirigida por McMurtry, não era parte deste caso e não foi um fator neste julgamento.

Durante os processos em Maine, a O.T.O. emprestou a Motta um terno para ser utilizado na Corte do 9a Corte Distrital Federal de São Francisco. O caso de São Francisco foi concluído em 1985 com Motta perdendo novamente. A O.T.O. dirigida por McMurtry foi reconhecida pela Corte como sendo a continuação da O.T.O. de Aleister Crowley e detentora exclusiva dos nomes, marcas, direitos autorais e outros direitos da O.T.O. McMurtry foi reconhecido como o líder legítimo da O.T.O. dentro dos Estados unidos. A decisão da 9ª Corte também reconhecia legalmente a O.T.O. dirigida por McMurtry como uma entidade com membros. Esta decisão foi apelada e levada à frente. Grady McMurtry morreu em 12 de julho de 1985, seguindo a decisão original da 9a Corte, mas o processo de apelação estabeleceu que a O.T.O. continuaria como uma corporação.

A O.T.O. Hoje

Atualidade

Mais do que designar um sucessor, McMurtry desejava que seu sucessor fosse designado pelo Soberano Santuário da O.T.O. após sua morte. A eleição deu-se em 21 de setembro de 1985, com a participação dos dois membros restantes da Loja Agapé, e Frater Hymenaeus Beta foi eleito para sucessor de Frater Hymenaeus Alpha como Califa e O.H.O. atuante da O.T.O. Hymenaeus Beta continua em seu cargo até hoje.

No princípio de 1996, uma nova corporação foi fundada para tratar dos trabalhos da Grande Loja da O.T.O. nos Estados Unidos, enquanto a corporação já existente foi reorganizada como International Headquarters (Quartel-General Internacional) da O.T.O. Em 30 de março de 1996, Sabazius X° foi indicado como Grande Mestre Geral Nacional para a Grande Loja norte-americana.

Créditos

Agradecimentos

Além do material de arquivo da O.T.O., o material publicado pelos seguintes protagonista e pesquisadores Históricos foi consultado enquanto se preparava este ensaio: Calvin C. Burt, W.B. Crow, Isaac Blair Evans, Antoine Faivre, S.E. Flowers, René Le Forestier, Joscelyn Godwin, Dr. J.A. Gottlieb, Ellic Howe, Francis King, Peter-Robert König, Helmut Möller, William G. Peacher, M.D., Martin P. Starr, John Symonds, M. McBlain Thomson, A.E. Waite, James Webb, e John Yarker.

Os seguintes indivíduos providenciaram substancial assistência na forma de informações Históricas e/ou críticas: William Breeze, Martin P. Starr, Parsival Krumm-Heller, Soror Meral, Soror Grimaud, Lon Milo DuQuette, James T. Graeb, Bjarne Salling Pedersen, e P.-R. König.

Notas

  1. A Irmandade Hermética da Luz era uma sociedade mística que alegava descender dos corpos maçônicos/rosacruzes austríacos conhecidos como Fratis Lucis. A Fratis Lucis, também conhecido como a Irmandade Asiática ou a Irmandade Iniciada das Sete Cidades da ásia era derivada da antiga Ordem da Cruz Dourada e Rósea alemã. A Irmandade Hermética da Luz também parece ter possuído conexões com a Irmandade Hermética de Luxor, que era uma sociedade mística que alcançou algum conhecimento público na Inglaterra, em 1884 sob os auspícios de Max Theron (também conhecido comoLouis-Maximilian Bimstein, 1850 - 1927). As origens da I.H.L. não são claras mas há alguma evidência conectando-a à Irmandade de Luxor, que esteve envolvida com a fundação da Sociedade Teosófica bem como da supramencionada Fratris Lucis e com o espiritualismo inglês do Séc. XIX.
  2. Nascido na Polônia, Theon viajou largamente em sua juventude. No Cairo tornou-se discípulo de um mago copta chamado Paulos Metamon. Theon foi para a Inglaterra em 1870, onde foi recrutado pelo lutierPeter Davidson (1842 - 1916) para estabelecer um "círculo externo" da I.H.L.. Eles uniram-se em 1883 por conta de Thomas H. Burgoyne (também conhecido como Thomas Dalton, 1855 - 1895), que posteriormente escreveu um livro resumindo os ensinamentos básicos da I.H.L., chamado "A Luz do Egito". A função deste "círculo externo" da I.H.L. era oferecer um curso por correspondência de ocultismo prático; o que seria mantido fora da Sociedade teosófica. Seu currículo incluía algumas seleções dos escritos de Hargrave Jennings e de Paschal Beverly Randolph.
  3. P.B. Randolph (08/10/1825 - 29/06/1875) foi um conhecido médium, curandeiro e escritor, contando entre seus amigos pessoais Abraham Lincoln, Hargrave Jennings, Kenneth McKenzie, Eliphas Levi, Napoleão III, Edward Bulwer-Lytton e o general Ethan A. Hitchcock. A Ordem de Randolph alegava descender da Ordem Rosacruciana (por patente da "Suprema Grande Loja da França") e ensinava curas espirituais, ocultismo oriental e princípios da regeneração da raça através da espiritualização do sexo.
  4. Yarker foi eleito Grande Mestre Soberano Absoluto para o Rito Oriental de Mizrain em 1871. Ele foi feito Grande Mestre 96° do Soberano Santuário do Antigo e Primitivo Rito de Menphis para a Inglaterra porHarold J. Seymour em oito de outubro de 1872. Seymour recebeu suas cartas-patentes de Jacques Etienne Marconis de Negre em 21 de junho de 1862. Yarker recebeu cartas-patentes do Antigo e Aceito Rito Escocês de Cernau de Theo. H. Tebbs, do Supremo Grande Conselho Combinado do Canadá deste Rito em 12 de janeiro de 1884. Yarker foi eleito Grande Hierofante Imperial 97° do Rito de Menphis em 11 de novembro de 1902.
  5. Os que participaram do congresso foram: Theodor Reuss (representando o Soberando Santuário dos Ritos de Memphis e de Mizraim na Alemanha, o Grande Oriente do Rito Escocês na Alemanha e a Grande Loja Nacional os Ritos Unidos Escocês, de Memphis e de Mizraim para a Grã-Bretanha e Irlanda), H.R. Hilfiker, R. Merlitschek, e M. Bergmaier (representando Grande Oriente do Rito Escocês na Suíça [basedo em uma patente de Reuss Charter datada de 10 de maio de 1919]), Dr. E. Pargaetzi (representando o Soberano Santuário dos Ritos Unidos Escocês, de Memphis e de Mizraim para a França); A. Spilmer (representando a Grande Loja da Colômbia), H. Schütz (representando o Príncipe Alexander da Grécia, Grande Protetor da Maçonaria Grega); John Anderson (representando a Grande Loja Nacional da Escócia); e Matthew McBlain Thomson (representando a Federação Maçônica Americana, a Grande Loja de Washingon e a Grande Oriente de Cuba).
  6. Este texto é uma tradução do original de Frater Sabazius X°, que se encontra no site da Grande Loja dos EEUU.

Sucessão Após Crowley

Cronologia de Sucessão da O.T.O. após a morte de Crowley

Por muitos anos tem havido uma grande confusão sobre a história da Ordo Templi Orientis após a morte de Aleister Crowley. Frequentemente essa confusão vem sido orquestrada deliberadamente por vários reivindicadores da Liderança da Ordem, através do uso de citações selecionadas, algumas incorretas, mal entendidos ou simplesmente fraudes. Notavelmente, tais reivindicações raramente foram feitas com o suporte de uma documentação devida – omissão que o cronograma a seguir vai tentar remediar.

Eu me concentrei apenas no período de 1941 até 1969, o qual contém os documentos críticos relativos à sucessão de Crowley. Construí esse cronograma tanto quanto possível diretamente de fontes primárias e adicionei meus próprios comentários para apontar, quando necessário, passagens significativas ou esclarecer detalhes importantes do cenário em questão. Eu também contribuí ao final com um sumário, dando minha análise pessoal sobre o significado dos documentos. 

Termo de responsabilidade: Eu sou atualmente membro da O.T.O. e venho sendo há aproximadamente 20 anos. 

Nota sobre as fontes:  Foi do meu intuito verificar todas as fontes com a maior precisão possível. A maior parte do material foi tirada diretamente de manuscritos originais ou de cópias com boa proveniência, de dentro dos arquivos da O.T.O. Eu transcrevi os documentos mais importantes e contenciosos, além de resumir alguns materiais de auxílio. 

Estou em débito com Hymenaeus Beta, Bill Heidrick, Dr. Richard Kaczynski, Frank Kroener, Dionysus Roger e Ian Rons pela pesquisa e informações providas.

Adições e comentários são muito bem-vindos. 

Rodney Orpheus, 2009 e.v.

1941

Crowley – Karl Kermer, abril/maio de 1941:

Apontamento de Gemer como grau Xº para as nações de língua alemã e emissário nos EUA. 

[Crowley manteve sua posição de Xº para todas nações de língua inglesa, mas, ao apontar Gemer como seu “emissário”, permitiu que ele atuasse como seu representante direto nos EUA.]

Crowley – Germer, 18 de julho de 1941: 

Crowley dá a Germer uma procuração e o aponta como representante da O.T.O. e A.’.A.’, respondendo apenas ao próprio Crowley. 

Crowley – Germer, 24 de novembro de 1941: 

Note-se que provavelmente a O.T.O. vai precisar ser completamente reconstruída. O humor do Novo Aeon parece desfavorável às Lojas e os “Segredos” são ininteligíveis a qualquer um que não tenha realizado um longo estudo do sistema. Neste momento há duas seções; os rituais – até a Rosa Cruz; e as redações de instrução tratando do único segredo real. O(s) ritual(is) correspondentes nunca foram escritos, exceto o Templário. Então eu espero que fique a seu encargo conceber um tipo de método completamente novo de comunicação do segredo real. Este, é claro, tem sido o verdadeiro procedimento: eu simplesmente usei meus critérios e atirei os feijões para aqueles que julguei merecedores. Se os rituais, por algum milagre, tornaram-se amplamente trabalhados, bom. Eles são uma base esplêndida para o ensinamento prático. 

1942 

Crowley – Germer, 12 a 14 de Março de 1942: 

Eu devo apontá-lo como meu sucessor como O.H.O, mas com termos especiais. Está bastante claro para mim que se faz necessária uma completa mudança na estrutura e nos métodos da Ordem. O Segredo é a base e você precisa selecionar as pessoas certas. Você pode pegar pessoas de fora; mas todos que tiverem qualquer envolvimento conosco devem fazer uma aceitação formal do AL e uma renúncia formal das idéias denunciadas no AL 49-56, Cap. III. Então virá a Nova Ordem Social pelas linhas dadas nos livros LII, CI, CLXI e CXCLV (ver Equinócio III. 1, pp 195-246) e o mesmo em Equinócio III. 2 – esse volume não está em minhas mãos nesse momento. A base geral de associações públicas é a Missa Gnóstica. Eu espero, depois de morrer, tê-la alçado “en grand tenue” por artistas treinados, para assim haver um “padrão selado” para referência futura. Os outros rituais terão de acompanhar o melhor que puderem. Tenho dúvidas se um dia vai retornar o tempo em que haverá tanto necessidade de usar tais métodos, como lazer em cultivá-los. É claro, os segredos menores em tais ritos têm seu valor mágico especial, e assim eles sempre terão um certo uso para certos tipos de mentes. O verdadeiro efeito mágico no candidato pode também ser de grande validade para ele, e o treinamento e a disciplina são sempre úteis. Mas como questão de propaganda eles são absurdamente lentos, pesados e desajeitados; a parte secreta é puramente cômica enquanto houver quaisquer Gerald Yorkes no mundo. 

[Pontos importantes aqui:

  1. Germer é claramente apontando como O.H.O após a morte de Crowley
  2. Novas pessoas podem ser iniciadas na O.T.O., mas precisam aceitar formalmente o Livro da Lei
  3. Uma nova ordem social a ser baseada nos documentos de constituição da O.T.O.
  4. O rito público Central deve ser a Missa Gnóstica
  5. Os rituais de iniciação são lentos como propaganda, mas têm um valor mágico especial e, como a carta anterior atesta, “são uma base esplêndida para o ensino prático”.

Aqui nós podemos ver precisamente como Crowley pretendia direcionar a O.T.O. após sua morte. A última linha aparenta antecipar problemas de sigilo na era da Internet.]

Nota no diário de Crowley, 13 de março de 1942:

Precis (“sumário”) da carta para Saturnus em 12-14 de março. Toda minha propriedade está agora na O.T.O. A reivindicação de Pearl's Carey St deve ser feita a você como GTG. Saturnus é legatário do residuário & meu sucessor como O.H.O. Instruções para ele agir como tal (1) formar núcleos de IXº (2) Ordem Social Eqx. III 1 & 2 (3) Missa Gnóstica. Como escolher seu próprio sucessor. 

[Crowley aponta que fez sua Última Vontade & Testamento, no qual documenta todas suas propriedades como sendo da O.T.O. e instrui seus advogados de que Germer é o Grande Tesoureiro Geral e que deverá suceder Crowley como Cabeça Externa da Ordem (O.H.O.) após sua morte.]

1943 

Crowley inicia McMurtry no IXº grau da O.T.O. 

1944 

Crowley – Grady McMurtry, 21 de novembro de 1944: 

“O Califado”. Você deve perceber que não importa o quão intimamente observemos olho-a-olho em qualquer assunto objetivo, eu devo pensar em premissas totalmente diferentes daquelas concernentes à Ordem. Uma das (surpreendentes poucas) ordens que me foram dadas foi “'não confie em um estranho: não falhe com um herdeiro”. Isto tem sido muito maligno para mim. Fr.'. [Saturnus] é, claro, o Califa natural; mas há muitos detalhes acerca da real política ou trabalho que escapam a ele. Em todo caso, ele pode apenas ser um substituto por causa da sua idade; tenho que procurar seu sucessor. Isto tem sido um Inferno; tantos têm vindo com promessas maravilhosas, apenas para cair nas pedras. [...] Mas — e aqui é que você tem perdido meu ponto de todo — eu não penso em você deitado em uma encosta verdejante com adoráveis carneiros, tocando uma flauta! Ao contrário. Sua vida verdadeira, ou “sangramento”, é o tipo de iniciação que busco como base primordial para o Califa. — Para — digamos 20 anos — por isso o Cabeça Externo da Ordem deve, entre outras coisas, ter tido a experiência da guerra como ela realmente é de fato presentemente. 

[Nota para que “Califa” é o termo árabe para “sucessor”, e quando Crowley se refere a “Califado” ele está simplesmente falando da liderança da O.T.O. após sua morte. Ele não dá aqui o título de Califa para McMurtry – Crowley está simplesmente constatando que Karl Germer é seu sucessor natural, mas também que ele (Crowley) está tentando achar o sucessor de Germer. Crowley menciona explicitamente que está preocupado com a idade de Germer e que ele pode ser apenas uma solução provisória; e que daqui a cerca de 20 anos ele visualiza McMurtry como seu possível sucessor como O.H.O. Observação um tanto quanto premonitória – uma vez que, na realidade,isto levou 25 anos.]

1945

Nota no Diário de Crowley, 7 de fevereiro de 1945:  

[Aqui Crowley planeja que os direitos autorais de seu trabalho pertencem a O.T.O. e que o Fundo de Publicação deve ser visto como um investimento nisso. Note-se que Crowley não menciona Grant como nada mais que um possível encarregado pela filial inglesa da O.T.O. Não há nenhum sinal de autoridade dada além dessa. Compare-se esta à autoridade já conferida a Karl Germer em 1942, e à carta de Crowley a McMurtry, em 1944, onde o menciona como possível Califa após Germer. Grant é raramente mencionado no diário de 1946 e não é mencionado em nenhum momento no diário de 1947, presumivelmente porque ele e Crowley tinham rompido a essa altura.]

Nota no diário de McMurtry, 16 de junho de 1945:

Nós [Aleister Crowley & ele mesmo] estávamos discutindo os problemas dele numa tarde que era praticamente uma daquelas da Loja Ágape em Los Angeles. Num dado instante eu disse: “Já que você me conhece, e eu conheço eles, quando eu chegar em casa (Califórnia) eu vou dar uma olhada na situação e escrever um relatório para você”. Ao que ele falou: “Está bem. Eu agora te nomeio Grande Inspetor Soberano Geral da Ordem”. Esse foi o único título puramente verbal que eu recebi de Crowley e para este eu não tenho nenhum documento, já que Crowley não me deu um naquele momento. 

1946 

Crowley – McMurtry, 22 de março de 1946: 

Esta é a autorização para que Frater Hymenaeus A (Cap. Grady. L Mc Murtry) tome controle de toda a Ordem na Califórnia. Para reformar a organização de acordo com seu relatório de 25 de janeiro de1946 e.v. sujeito à aprovação de Frater Saturnus (Karl J Germer). Essa autorização deve ser usada apenas em caso de emergência. Amor é a lei etc. Baphomet. O.H.O. 

[O relátorio mencionado foi o relatório de McMurtry sobre a Loja Ágape, na Califórnia, empreendido por McMurtry sob o encargo de Grande Inspetor Soberano Geral da Ordem mencionado acima. Crowley ficou muito satisfeito com o relatório e deu a McMurtry a autoridade de tentar resolver os problemas mencionados nele. Note-se que a autoridade dada aqui é para ser usada apenas em emergência – provavelmente no caso da Loja Ágape não poder resolver seus problemas sozinha. Já que um tempo depois a Loja Ágape começou de fato a ruir e Germer morreu sem estar apto a reverter o processo, eu acho que pode ser razoável considerar tal fato uma “emergência”.]

Crowley – McMurtry, 11 de abril de 1946:

Este é o apontamento de Frater Hymenaeus A. Grady Louis McMurtry IXº grau da O.T.O. como Nossa representação pessoal nos Estados Unidos da América, e sua autoridade é para ser considerada como Nossa, sujeita à aprovação, revisão ou veto de nosso Vice-Rei Karl Johaness Germer IXº da O.T.O. da Rua 72 com Oeste 260, Nova Iorque. 

[Uma autoridade maior que a precedente. Aqui Crowley aponta explicitamente McMurtry como grau IXº e dá a ele completa autoridade para representar Crowley em todos EUA, contanto que Germer não tivesse nenhum problema com isso. A menção de ambos, tanto Germer quanto McMurtry, como membros do IXº grau mostra que Crowley está conferindo autoridade especificamente dentro do contexto da O.T.O. Note-se que, ao contrário da autorização anterior, esta não está condicionada a uma situação de emergência – está plenamente ativa desde que não haja objeção de Germer. É a única vez que Crowley confere completa autoridade para outro membro da O.T.O. e ela nunca foi rescindida, nem por ele nem por Germer. Assim, após a morte tanto de Crowley como de Germer, McMurtry se torna a única pessoa na Ordem portando credenciais oficiais de liderança.]

Germer – McMurtry, 24 de maio de 1946: 

... em qualquer passo que você decidir dar com minha aprovação. Cooperemos completamente. 

[Germer não faz objeções à comissão conferida a McMurtry e atesta seu desejo de trabalhar junto a ele, conforme o desejo de Crowley.]

Crowley – Germer, 19 de junho de 1946: 

A única limitação ao poder dele [McMurtry] na Califórnia é que qualquer decisão tomada por ele está sujeita a revisão ou veto por você. 

[Note-se que Crowley remove a cláusula da “aprovação”, de modo que McMurtry tem autoridade para trabalhar livremente, a não ser que Germer se oponha especificamente.] 

Germer – McMurtry, 7 de agosto de 1946: 

Estou em posse dos dois documentos que você me enviou; não vejo razão para que você não deva mostrá-los para Roy [Leffingwell] e para quem quer que tenha título para vê-los. 

[Germer mostra seu reconhecimento da autoridade que Crowley deu a McMurtry, e sua aprovação para o uso de ambos os documentos.]

1947 

Crowley – Gerald Gardner, maio de 1947: 

Faze o que tu queres será o todo da Lei.

Nós Baphomet Xº Ordo Templi Orientis, Grande Mestre Geral Soberano de todas as nações de língua inglesa da Terra autorizo nosso amado filho Scire (Dr. G.B. Gardner), Príncipe de Jerusalém, a constituir um acampamento da Ordo Templi Orientis no grau de Minerval. 

Amor é a lei, Amor sob Vontade.

Com o testemunho de minha mão e selo,

Baphomet Xº 

Crowley – W.B. Crow, 30 de maio de 1947: 

Eu sugiro que você encaminhe todos seus seguidores da cidade de Londres para o Dr. Gardner, para que ele possa conduzi-los devidamente pelo grau de Minerval e alguns possam ao menos ajudá-lo a estabilizar os acampamentos para os graus superiores, até o de Perfeito Iniciado ou Príncipe de Jerusalém. 

Crowley – Germer, 6 de junho de 1947: 

Você parece em dúvida quanto à sucessão. Nunca houve qualquer questão a este respeito. Desde sua reaparição Você é o único sucessor em que tenho pensado até este momento. Tenho, de qualquer forma, a idéia de que, tendo-se em vista a dispersão de tantos membros, você deveria achar útil apontar um triunvirato para trabalhar sob seu comando. Minha idéia é Mellinger, McMurtry e, eu suponho, Roy [Leffingwell], apesar de eu sempre ter estado um pouco duvidoso em relação à lealdade deste último. [...] Eu devo deixar a decisão de formar um triunvirato após minha morte inteiramente para você. 

Gardner – Crowley, 14 de junho de 1947: 

Gardner paga Crowley 10/10 para se afiliar ao VIIº grau da Ordem. 

Crowley – McMurtry, 17 de junho de 1947:

Já faz um tempo que não ouço notícias suas. Esse é um grande erro: eu te digo porquê, em estrita confidência. Na ocasião de minha morte, Frater Saturnus é obviamente meu sucessor, mas, após sua morte, o terrível fardo da responsabilidade pode muito facilmente cair sobre seus ombros: por essa razão eu gostaria de manter você em contato próximo comigo. 

A Última Vontade & Testamento de Crowley, 19 de junho de 1947: 

ESTA É A ÚLTIMA VONTADE de mim, EDWARD ALEXANDER CROWLEY, comumente conhecido como Aleister Crowley de “Netherhood”, O Guardião de Hastings, Sussex, Inglaterra

EU AQUI REVOGO todas vontades e testamentários disponíveis até agora feitos por mim

EU ORIENTO que meus executores testamentários devem se certificar como melhor acharem e para além de qualquer suspeita de qualquer possibilidade de erro no fato da minha morte

EU DESEJO que, ao meu falecimento, meu corpo seja cremado, as cinzas sejam preservadas num caixão junto a meu anel-selo e que eles sejam confiados ao Grande Tesouro da Ordo Templi Orientis

EU APONTO Karl Johannes Germer da Rua 72 com a Oeste 260, Nova Iorque, Lady Frieda Harris, a esposa de Sir Percy Harris da 3 Devonshire Terrace Marylebone High Street London W.1. e Louis Umfraville Wilkinson, Doutor em Letras cujo endereço é Westminster Bank Limited Shaftesbury Avenue London W.C.1 para serem Executores de meu testamento (aqui referidos apenas como meus Executores), exceto no tocante às propriedades e resultados (incluindo direitos autorais) relacionados a minha profissão de autor, para quais propriedades e resultados

EU APONTO Louis Unfraville Wikinson e John Symonds da 121 Delside Road London W.C.3. ditos como os executores (de agora em diante referidos como “meus executores literários”)

EU ORIENTO meus Executores literários a recolher o mais brevemente possível, após minha morte, todos meus livros, escritos e resultados de natureza literária de qualquer maneira, incluindo todos resultados sobre os quais eu, na data da minha morte, possa ter poder de opinar ou apontar e 

EU DOU E LEGO meus livros, escritos e resultados literários assim recolhidos para meus Executores literários, livres de qualquer dever mortuário, NA CONFIANÇA que eles farão o mesmo ao Grande Tesoureiro Geral da Ordo Templi Orientis (Ordem do Templo do Leste) na Rua 72 com a Oeste 260, Nova Iorque, com o requerimento que tal coleção deverá ser para o uso e benefício absoluto da Ordem citada e 

EU DECLARO que o recebimento do Grande Tesoureiro Geral da Ordem citada deve ser uma licença suficiente para meus Executores literários em relação ao pagamento de minhas dívidas e despesas funerárias e testamentárias 

EU PLANEJO LEGAR E APONTAR todo o restante de minhas posses, bens e resultados aos citados Karl Johannes Germer, Lady Frieda Harris e Louis Unfraville Wilkinson, se vivos na data da minha morte, e se mais de um, igualmente entre eles para o benefício dele ou dela, mas requisitando-se que ele ou ela disponha igualmente do mesmo entre meus amigos fiéis de acordo com quaisquer desejos expressos por mim durante minha vida ou apontado em qualquer memorando escrito ou assinado por mim ou deixado entre meus documentos quando de minha morte, declaro que tal memorando não deve ser julgado como parte de meu Testamento nem deve a expressão anterior de meus desejos criar qualquer disputa ou obrigação legal.

EM TESTEMUNHO a partir do qual eu até aqui ponho minha mão neste décimo nono dia de junho de mil novecentos e quarenta e sete. 

[Aqui, a parte importante para a O.T.O. é a seção referente aos resultados literários: “EU DOU E LEGO meus livros, escritos e resultados literários... ao Grande Tesoureiro Geral da Ordo Templi Orientis... para o uso e benefício absoluto da Ordem citada.” É claro que ele queria que todos seus resultados literários (o que inclui os direitos autorais) fossem para a O.T.O. eaponta especificamente o endereço de Germer como o lugar para onde deveriam ser enviados.]

Crowley – Germer, 30 de junho de 1947:

A Inglaterra em particular está começando a parecer muito brilhante: estaremos começando um Acampamento de Minerval durante o verão se o plano seguir como foi providenciado.

[Esse era o Acampamento proposto sob a liderança de Gardner.]

Crowley – Frederic Mellinger, 15 de julho de 1947:

Estou de fato bastante ansioso para que você mantenha contato próximo comigo, apenas porque penso ser possível que, após eu e Frater Saturnos partirmos para o plano seguinte, você pode se descobrir enlaçado com toda responsabilidade de carregar o trabalho da Ordem.

[Fica evidente nessas cartas ao longo de junho-julho que Crowley sabia que sua morte se aproximava e tentava assegurar que a sucessão devida aconteceria na O.T.O. – com Germer como Cabeça, McMurtry e Mellinger como substitutos em caso de emergência.]

Crowley morre no dia 1 de dezembro de 1947.

Membros conhecidos da O.T.O. na data da morte de Crowley:

A lista ainda está incompleta.

Frieda Harris – Mellinger, 7 de dezembro de 1947:

Você é o cabeça da Ordem aqui ou era Gardner? Não consigo achá-lo, eu imagino que ele morreu?

[Gardner estava vivo, mas muito doente, na América. Não há menção de Grant como possível líder na Inglaterra. Frieda Harris assume que Mellinger e Gardner são os oficiais gerais na Europa.]

Gerald Gardner – Vernon Symonds, 24 de dezembro de 1947:

Aleister me deu uma carta me tornando o cabeça da O.T.O. na Europa. Agora eu quero qualquer papel sobre aquilo que Aleister tinha, alguns Rituais datilografados. Eu sei. Eu também os tenho, mas eu não quero que caiam nas mãos de outras pessoas, eu os comprarei dos Executores por um preço razoável, junto a qualquer outra relíquia que eles estejam querendo vender.

[Note-se que Gardner não era o membro de grau mais alto da Europa, nem mesmo na Inglaterra, mas de todo modo ele era a única pessoa no momento com uma Carta para realmente iniciar novos membros na Ordem.]

1948

Harris – Germer, 2 de janeiro de 1948:

Eu acho que sou um membro da O.T.O.

Eu costumava entender a Palavra do Equinócio.

G.B.Gardner, 282 Strathmoore Círculo de Memphis 12 Tenn. é o cabeça da O.T.O. da Europa – Dr. W.B.Crow, 227 Glenfield Road Western Park Leiceste tem autoridade dada por A.C para trabalhar na O.T.O. e na Igreja Gnóstica Católica. Você escreveria para ele? Noel Fitzgerald Fitzgerald 24 Belsize Road N.W6 também parece ter sido convidado a iniciar o Sr. Gardner e pode ser um membro. 

Germer – Grant, 5 de outubro de 1948:

Germer manda para Grant seu certificado e formulário de iniciação ao IXº, com assinatura de confirmação por Gerald Yorke.

[Note-se que isso significa que Grant não recebeu formalmente seu IXº até depois da morte de Crowley.]

1950

Gardner – John Symonds, dezembro de 1950:

Eu tentei começar uma ordem, mas fiquei doente e tive que deixar o país. Depois da morte dele [Crowley], foi dito para Germer que eu era o cabeça da Ordem da Europa, e Germer me reconheceu como tal, mas por causa da saúde ruim eu não tenho sido capaz de dar andamento às coisas. Eu tinha algumas pessoas interessadas, mas alguns foram mandados para a Alemanha com o exército de ocupação e outros viviam muito longe, então nada aconteceu. Na verdade, eu não tenho todos os rituais. O ritual de K.T. foi perdido; Gerald Yorke acha que ele pode não ter sido nunca escrito. Eu tenho até o Príncipe de Jerusalém. Você não sabe nada sobre os graus perdidos, eu suponho.

[Gardner parece se referir a carta de Harris para Germer em 1948. Não há razão para duvidar da alegação de Gardner de que Germer o reconheceu como o dirigente da O.T.O. na Europa. Note-se que esse é um caminho de mão dupla – Gardner implicitamente também reconhece que Germer é seu superior e, assim, o Cabeça da O.T.O. internacional. A menção à gente na Alemanha provavelmente se refere a Mellinger, que estava trabalhando como tradutor e interrogador do exército de ocupação – eu assumo que Germer tinha informado Gardner do paradeiro de Mellinger a essa altura.]

1951

Germer – Grant, 5 de março de 1951:

Faze o que tu queres será o todo da Lei.

Com o poder investido a mim por BAPHOMET, o último O.H.O. da ORDO TEMPLI ORIENTIS, eu por meio desta concedo a Fra. AOSSIC IXº O.T.O. (KENNETH GRANT) direito de constituir um acampamento da Ordem acima citada no vale de Londres, Inglaterra.

Amor é a lei, amor sob vontade.

Saturnus Xº O.T.O.
New York, N.Y.
5 de março, 1951.

[Uma vez que Gardner está agora admitindo que não fez nada com a O.T.O. na Europa, parece que Germer está procurando alternativas, tendo dado a Grant uma Carta para o Reino Unido. Ao dirigir o Acampamento, implicitamente Grant aceita a autoridade internacional de Germer sobre a O.T.O. – de outro modo, a Carta não teria nenhum significado.]

Germer – Mellinger, 25 de setembro de 1951:

... vá em frente com a O.T.O. se você achar que deve. A carta dele [Metzger] para você em 21 de setembro não parece pegar o touro pelo chifre, como ele deveria. Eu gostaria da O.T.O. operativa na Europa Central nas nossas linhas, não naquelas de Reuss.

[Novamente Germer parece estar buscando por alternativas européias agora que Gardner desistiu. Germer dá a Mellinger autoridade para dirigir a O.T.O. na Europa Central.]

Mellinger, 28 de outubro de 1951

Mellinger inicia Hermann Metzger no IXº grau da O.T.O. em Hamburgo, o certificado assinado depois por Karl Germer como O.H.O.

[Mellinger usa sua autoridade para iniciar Metzger. Isto revela que Metzger claramente aceita a autoridade de Mellinger para iniciá-lo, e aceita Germer como o Cabeça da Ordem.]

Mellinger – Germer, 31 de outubro de 1951:

Querido Karl,

93,

essa é provavelmente minha última mensagem da Alemanha.

Tudo está preparado para mudar rumo a um novo ciclo em poucos dias. Desde sexta da semana passada até segunda, Metzger esteve aqui e ficamos cerca de 24 horas juntos falando sobre Thelema. A tarefa não foi toda dificuldade para mim, mas um tanto agradável, ao que M. mostrou-se um estudante sincero, muito talentoso e devoto à Nova Lei com total e genuína submissão ao seu Logos. Todo o desejo é de receber o máximo de material possível para estudar e passar para seu grupo a sabedoria e conhecimento oferecidos no trabalho de Mestre Therion. Para começar, eu emprestei a ele minha cópia do Equinócio Azul, que ele pretende duplicar com microfilme. Ao que ele e sua loja são iniciados do Iº até o IIIº grau da O.T.O. (na versão de Reuss), eu não hesitei em prometer os manuscritos correspondentes e pedi que ele os pegasse com Lekve, a quem ele ia visitar na segunda passada. Ele copiou o formulário de aplicação que eu usei em Hildesheim, vai imprimi-lo decentemente em casa e tê-lo assinado por seus dezesssete Irmãos e enviar as aplicações para você. Ele é ávido para pôr em prática a Missa Gnóstica e eu prometi ajudá-lo com uma revisão da tradução alemã, que ele vai mandar para nós, e com as instruções disponíveis. Ele também quer iniciar seu grupo cerimonialmente nos três primeiros graus da Ordem “reformada”, tão logo ele receba a autorização para isto, e irá estar tecnicamente pronto...

... Amor é a lei, amor sob vontade.

Sempre seu,

Frederic.

[Mellinger está claramente trabalhando próximo a Germer e sob sua autoridade, aceitando-o como O.H.O. Ninguém no grupo de Metgzer era maior que IIIº grau a essa altura. Mellinger vai receber aplicações dos membros do grupo de Metzger para entrar na O.T.O. dirigida por Germer. Depois dessa carta, Mellinger se mudou para a Suíça para trabalho direto de inspeção da Loja Suíça. A referência a (Friedrich) Lekve e a Hildesheim (onde Lekve vivia – e era prefeito!) implica que Mellinger já tinha viajado para iniciar Lekve pelo menos no IIIº dentro das instruções anteriormente dadas mensalmente por Germer. Alegações futuras de que “não havia iniciações na O.T.O. sob direção de Germer” são assim falsas.]

Testamento de Germer, 4 de dezembro de 1951:

Eu deixo a totalidade de minhas propriedades e posses à minha amada esposa Sascha Ernestine André-Germer como a única herdeira [...] Em relação à propriedade da Ordem Ordo Templi Orientis [...] Eu oriento que seja passada para os Cabeças da Ordem [...] minha esposa [...] deve ser a executora dessa parte de meu testamento, junto a Frederic Mellinger. 

1955

Kenneth Grant – Manifesto da Loja Nova Ísis:

... A Loja Nova Ísis está de acordo com o Mestre Therion (um Grande Mestre da O.T.O. no Passado), com o presente Mestre S., que é o Cabeça Mundial da O.T.O. no Exterior, operando nos Estados Unidos da América...

[O “Mestre S.” presumivelmente se refere a Saturnus, mote de Karl Germer. Essa frase parece invalidar a alegação futura de Grant de que ele nunca aceitou Germer como Cabeça Internacional da O.T.O.]

Germer – Grant, 20 de julho de 1955:

Ao senhor Kenneth Grant

NOTIFICAÇÃO DE EXPULSÃO

Faze o que tu queres será o todo da Lei.

Você está notificado que a muito pouca e limitada autoridade que eu te dei para estabelecer um Acampamento da O.T.O. no vale de Londres está retirada e eu formalmente te expulso da Ordo Templi Orientis. Você abusou grosseiramente da confiança depositada em você. Ao imprimir e distribuir um assim chamado “Manifesto” sem minha aprovação e pelas minhas costas, você mostrou que lhe faltam senso de decência e a autoridade devida.

Ao veicular afirmações falsas e enganosas, imprimindo mentiras deslavadas e se movendo sobre falsos pretextos, você se revelou moral e espiritualmente desonesto e provou ser totalmente indigno da liderança de qualquer causa que esteja ligeiramente conectada com uma Ordem como a O.T.O., muito menos de uma causa como a Lei de Thelema.

Amor éa lei, amor sob vontade.

Karl Germer X° e Frater Superior O.T.O.
Hampton N.J.
20 de julho de 1955

Germer – Noel Fitzgerald, 20 de julho de 1955:

Hampton N.J.
P.O.Box 581

16 de dezembro de 1955

A QUEM POSSA INTERESSAR. Foi reportado a mim que há pessoas na Grã-Bretanha operando em nome da O.T.O. – Ordo Templi Orientis. A única autoridade para as nações de língua inglesa reside no presente Frater Superior da O.T.O., Frater Saturnus, Karl Germer.

Não há ninguém na Grã-Bretanha com uma Carta válida da O.T.O. Na Grã-Bretanha, qualquer atividade sob este título é portanto espúria.

Por meio desta eu aponto o Sr. Noel Fitzgerald, London W.1. como meu representante pessoal nos assuntos da O.T.O. para a Grã-Bretanha – válido até revogação – a fim de reportar para mim quaisquer atividades ou reivindicações ilegais; enquanto toma ações que ele considere apropriadas.

Karl Germer
Frater Superior O.T.O.
Xº O.T.O.

[A linguagem aqui é inequívoca. Nesse momento, ninguém no Reino Unido tem uma Carta para iniciar novos membros ou dirigir um corpo da O.T.O. Noel Fitzgerald serve como representante de Germer até sua morte, em 1958. Nessa data, os únicos membros da O.T.O. no Reino Unido são Harris e Wilkinson e, após a morte deles, todas atividades cessaram até os anos 70. Note-se que em ambas as cartas Germer assina como Frater Superior da O.T.O., sendo disparates algumas alegações futuras de que Germer nunca teria usado esse título.]

1962

Karl Germer morre em 25 de outubro de 1962

A mulher dele não informa Mellinger ou McMurtry sobre sua morte e Mellinger nem mesmo é nomeado como co-executor do Testamento de Germer. Ao invés de passar adiante as propriedades da O.T.O., ela as retém consigo. Ela escreve para Metzger e para um estudante de Germer na A.'.A.'., Marcelo Motta, dizendo a cada um deles que era vontade de Germer que eles fossem Cabeças da O.T.O. Isto apesar do fato de Sascha Germer nunca ter sido membro da O.T.O.! A partir dessa desinformação, criou-se muita confusão na próxima década.

Membros conhecidos da O.T.O. na data da morte de Germer:

A lista ainda está incompleta – faltam muitos membros da Suíça. Eu também não tenho informações sobre membros – ou se ao menos restava algum – em atividade no Reino Unido.

1963

Metzger unilateralmente tenta proclamar a si mesmo O.H.O. em janeiro, apesar de Mellinger ser seu iniciador e o membro de mais alto grau da O.T.O. na Europa, e apesar também de haver muitos outros membros de IXº grau ativos nos EUA. Mellinger descobre sobre isso em setembro deste ano quando recebe uma carta dos advogados da Sra. Germer.

Mellinger – Gard Chisholm, 25 de setembro de 1963:

Querido Sr. Chisholm,

Eu recebi sua carta de 20 de setembro, 1963, com a cópia anexada da Petição de Legitimação de Testamento que a Sra. Germer pretende assinar e arquivar. Você está pedindo minha opinião sobre a petição. Aqui vai:

Pelas razões a seguir, eu preciso me opor à declaração na petição: “O testamento foi executado em todas as indicações”.

1) Como você sabe, o Testamento define (em relação à propriedade da Ordem Ordo Templi Orientis) que “seja passada para os Cabeças da Ordem” e que “Frederic Mellinger deve ser co-executor (sic, no testamento está “executor”) dessa parte do Testamento.”

2) A Sra. Germer decidiu – sem pedir minha opinião nessa importante questão pertencente a “essa parte do Testamento”, sem contatar-me em absoluto – aceitar o estranho “Manifesto” de Herr Metzger (impresso na primavera) como uma verdade evangélica e reconhecê-lo como “Grande Mestre Xº da Ordem e Soberano Grande Mestre Geral” (sic!). Nem a Sra. Germer, nem Herr Metzger (que pelos últimos seis anos enviou-me regularmente seus panfletos, o que mostra que ele sabia muito bem meu endereço) me notificaram antes de 28 de março de 1963 sobre a morte de Karl Germer (em 25 de outubro de 1963). [sic, deveria ter escrito 1962] ou sobre sua “eleição” impostora em 6 de janeiro de 1963. Minhas questões sobre com que autoridade Metzger assumiu os títulos acima e com que direito fez uma “convocação dos Príncipes Patriarcas” no vilarejo de Stein, Suíça, para sua “eleição”, nunca foram respondidas nem pela Sra. Germer, nem por Metzger. Tampouco pude obter uma explicação sobre as negociações que aconteceram entre os dois durante os cinco meses antes de me contatarem. Eles assim resolveram violar (e não “executar”, como atesta a Petição) o Testamento do falecido.

Karl Germer nunca encontrou Herr Metzger na sua vida. Em 25 de junho de 1951, ele escreveu para mim sobre M. tê-lo contatado por carta, pediu para eu “aconselhar aquele grupo” e deixou totalmente sob meu julgamento passar algumas instruções a Metzger, possivelmente conduzindo “aquele jovem rapaz” em algum avanço na Ordem.

Herr Metzger revelou para mim – não-intencionalmente, é claro – de onde ele tirou a coragem de reivindicar o alto escritório da Ordem num infantil “coup d’etat’” (golpe de estado); especialmente ao imprimir na primeira página de seu impostor “Manifesto” os mottos a seguir:

“Ser ou não ser, eis a questão”. E “Hier stehe ich, ich kann nicht anders” (Aqui estou, não posso renunciar), aquelas bravas palavras de Martin Luthero. – Assim ele apontou involuntariamente para a única autoridade que ele tinha, mostrando suas aspirações ditatoriais: seu inflado Ego. Mas a Sra. Germer ficou impressionada e maliciosamente anuiu com seu consentimento, ignorando o “sagrado” (como ela disse), mas aparentemente desconfortável Testamento de seu falecido marido e meu papel como co-executor. {sic}

Sinceramente seu,

{assinado}
(Dr. Frederic Mellinger)

1966

Grant – Symonds (data desconhecida):

No dia 5 de março de 1951, eu obtive uma Carta do Cabeça Externa da Ordem (Frater Saturnus/Karl J. Germer).

[Note-se aqui que Grant nomeia especificamente Germer como o Cabeça Externa da Ordem da O.T.O. após a morte de Crowley e como fonte da autoridade do próprio Grant.]

1969

McMurtry finalmente descobre sobre a morte de Germer, quase sete anos depois do ocorrido. Entendendo que a O.T.O. agora não tinha um O.H.O. (como Crowley previu que poderia acontecer), ele usou suas cartas de autorização escritas por Crowley e conclamou todos membros remanescentes da O.T.O. para trabalhar com ele e reconstruir a Ordem.

Sumário

Principais Fatos

De tudo isso, as cartas de autorização de McMurtry mostram-se as únicas que qualquer um já produziu que são válidas para reivindicar a sucessão como Cabeça da Ordem. Nenhuma das outras reivindicações estão amparadas em documentação que nós tenhamos disponível. É especialmente notável que houve tantas reivindicações e contra-reivindicações nas quatro décadas passadas baseadas em absolutamente nenhuma evidência, e que, na verdade, muitas delas foram levadas a sério

A História da O.T.O. no Brasil

Princípios

Historicamente, considera-se que a primeira presença de Thelema do Brasil se dá com o estabelecimento da Fraternitas Rosacruciana Antiqua, no Rio de Janeiro. Outros grupos de maior expressividade thelêmica também operaram em terras brasileiras, tais como o de Marcelo Ramos Motta. Estes abriram o terreno para que, na década de 90, um grupo independente de estudantes de Thelema percebesse a necessidade de uma estruturação organizacional mais orientada e estável para que esse tipo de trabalho pudesse se desenvolver. Desta forma, entraram em contato com o Quartel General Internacional da O.T.O. e, após um período de negociações, um time de iniciação foi enviado para que o primeiro grupo de membros brasileiros fosse formado.

Um erro comum é considerar que Marcelo Motta foi iniciado na O.T.O. Embora ele fosse discípulo de Karl Germer na A.·.A.·., e Germer fosse o Cabeça Externa da O.T.O. de 1947 até 1962, este era o único vínculo entre Marcelo Motta e a O.T.O. Tal confusão tem contribuído para desinformar tanto acerca da O.T.O. quanto da A.·.A.·., muitas vezes misturando-as como se fossem a mesma Ordem. De forma semelhante, tanto Raul Seixas quanto Paulo Coelho, ainda que aprendizes de Motta, não foram membros da O.T.O.

Oásis Sol no Sul

Em 16 de maio de 1996 e.v. foi oficialmente estabelecido, na cidade do Rio de Janeiro, o primeiro Corpo Local da O.T.O. no Brasil. Este Acampamento, em 07 de novembro de 1998 e.v., tornou-se o Oásis Sol no Sul. Foi este Corpo Local a base de funcionamento da Ordem, com um grupo pioneiro enfrentando todas as dificuldades de implantação do trabalho, fisicamente afastado dos outros grupos da O.T.O. e sendo o único na América do Sul e em língua portuguesa.

Loja Quetzalcoatl

Em 23 de maio de 2000 e.v., em um processo de desenvolvimento, o Oásis Sol no Sul encerrou suas atividades, tendo cumprido seus objetivos. Desta base surgiu o Oásis Quetzalcoatl, que em 2008 recebeu o status de Loja. 

Atualmente, contando-se o tempo como Sol no Sul, a Loja Quetzalcoatl constitui o Corpo Local mais antigo da O.T.O. no Brasil, sede da liderança nacional da Ordem pela presença da Representante do Frater Superior para o Brasil. É também um dos grupos thelêmicos mais antigos em atividade constante em terras brasileiras.

Acampamentos Therion e Laylah

No ano de 1997 e.v. foi aberto na cidade de São Paulo o Acampamento Therion, que funcionou até o ano de 1999 e.v. Este Corpo Local foi o responsável pelas primeiras iniciações no estado paulista e pelos  primeiros trabalhos thelêmicos nesse estado. Em 1999 e.v., dadas as distâncias da cidade de São Paulo e a quantidade de membros, optou-se por estabelecer um novo Corpo Local naquela cidade e foi aberto, então, o Acampamento Laylah, que se manteve em funcionamento até o ano de 2004 e.v. quando, por decisão de seus membros, fechou as portas. Atualmente, os membros paulistas mantém seus trabalhos individuais, em contato com a Loja Quetzalcoatl.

Acampamento Aldebaran

O Distrito Federal teve como Corpo Local o Acampamento Aldebaran, que funcionou de 21 de março de 2000 e.v. a 3 de maio de 2003 e.v., quando, dado o então pequeno número de membros, decidiu-se pelo fechamento.

Acampamento Opus Solis

A mais nova estrela na constelação de Corpos Locais da Ordo Templi Orientis, o Acampamento Opus Solis foi fundado no dia 16 de janeiro de 2010 e.v. na capital de Minas Gerais.

I-ENOTO

No ano de 2002 realizou-se em Paraty, cidade histórica da Costa Verde do estado do Rio de Janeiro, o Primeiro Encontro Nacional da O.T.O. Reunindo um expressivo percentual dos membros brasileiros da Ordem, o evento contou com diversas palestras, encontros sociais e mostrou um incrível poder de congregação de um grupo thelêmico, constituindo provavelmente um dos maiores encontros thelêmicos já realizados no Brasil.

O Sistema da Ordo Templi Orientis

Estrutura Iniciática

"Quem nos chama Thelemitas não irá cometer erro, se examinar a palavra de perto. Pois existem nela Três Graus, O Eremita, e o Amante, e o homem da Terra. Faze o que tu queres será o todo da Lei."
(Liber AL vel Legis I:40.)

Todo homem e mulher livre, maior de idade e de bons costumes tem direito inalienável aos três primeiros graus da O.T.O., embora não necessariamente de acordo com o estabelecido por seu próprio cronograma pessoal. A Iniciação só pode ser conferida através de uma cerimônia física, conduzida por um Iniciador autorizado. Para mais informações sobre como requerer afiliação a O.T.O., ver a seção "Afiliação" de nossa Página Principal.

A estrutura da O.T.O. é baseada numa série de graus, divididos entre as Tríades do Homem da Terra, dos Amantes e do Eremita. Nos rituais de Iniciação a esses graus, a Ordem busca instruir o indivíduo nos mistérios da Natureza através de alegorias e símbolos, auxiliando cada Iniciado na descoberta e entendimento de sua verdadeira identidade. Essa estrutura, como um todo, é abaixo apresentada:

O Grau do
Homem da Terra

(A Terceira Tríade)
Minerval Os "Graus
do Oásis"
Misteria
Mistica
Maxima
Homem-Irmão / Mulher-Irmã
II° Magista
III° Mestre-Magista
IV° Perfeito Magista e Companheiro do Sagrado Arco Real de Enoch
PI Perfeito Iniciado ou Príncipe de Jerusalém
Fora das Tríades KEW Cavaleiro do Leste e do Oeste
O Grau do
Amante

(A Segunda Tríade)
Príncipe Soberano Rosa-Cruz e Cavaleiro do Pelicano e da Águia
Cavaleiro da Águia Vermelha e Membro do Senado dos Cavaleiros Filósofos Herméticos
VI° Ilustre Cavaleiro (Templário) da Ordem de Kadosh e Companheiro do Santo Graal
Grande Inquisidor Comandante e Membro do Grande Tribunal
Príncipe do Segredo Real
VII° Teórico e Mui Ilustre Grande Inspetor Geral Soberano
Magus da Luz e Bispo da Ecclesia Gnostica Catholica
Grande Mestre da Luz e Inspetor dos Ritos e Graus
O Grau do
Heremita

(A Primeira Tríade)
VIII° Perfeito Pontífice dos Illuminati
Epítome dos Illuminati
IX° Iniciado do Santuário da Gnose
Rex Summus Sanctissimus
XI° Iniciado do Décimo-Primeiro Grau (este Grau é técnico e não possui relação com o plano geral da Ordem)
XII°

Frater Superior e Cabeça Externo da Ordem

Os graus da Tríade do Homem da Terra seguem um padrão baseado no simbolismo dos Chakras, além de encenar o Caminho do Indivíduo na Eternidade. No grau 0°, o Ego, um deus errante, é atraído para o Sistema Solar. O Grau de Minerval (0°) é introdutório à Ordem. Nele, o aspirante é considerado um Hóspede e poderá conhecer o trabalho da O.T.O. e decidir se tornar ou não um membro pleno dela, além de permitir que padrinhos em potencial o avaliem e escolham auxiliá-lo em seus passos seguintes. No grau I° vive-se a experiência do Nascimento. O Primeiro Grau (I°) define ao Iniciado a condição de Irmão da Ordem. Embora possa se desligar da O.T.O., o elo espirtual criado entre o Iniciado e a Ordem durante a cerimônia de Iniciação irá permanecer durante toda a vida do indivíduo. No grau II°, o homem ou a mulher experimentam a Vida. O grau III° representa a Morte do indivíduo e o IV° o mundo além da morte. No grau de PI, o Iniciado adquire simbolicamente a Perfeição e todo o ciclo se dirige para a Aniquilação. Além do grau de PI, o avanço se dá apenas através de convite. 

Iniciados do grau intermediário de KEW (Knight of East and West – Cavaleiro do Leste e Oeste) podem ser ordenados ao Sacerdócio da Ecclesia Gnostica Catholica. A Consagração Episcopal da E.G.C. é conferida como parte do Sétimo Grau. O Décimo Grau (X°) se refere ao Rei da O.T.O. num determinado país, no caso de haver nele uma Grande Loja. Nos rituais do V° ao IX° grau estão contidas instruções sobre a Maestria da Vida: filosofia hermética, Cabala, Magick e Yoga preparam o Iniciado para a revelação e aplicação do Supremo Segredo da Ordem.

Nota. Todos os títulos dos Graus possuem seus correspondentes femininos. Assim, Companheiro / Companheira, Cavaleiro / Amazona, etc.

A O.T.O. e a Maçonaria

Ordens Independentes

A Ordo Templi Orientis foi fundada a partir de uma série de ritos regulares e irregulares da Maçonaria há mais de um século atrás. Contudo, em 1918 e.v., sob a liderança de Aleister Crowley, a Ordem passou por uma reestruturação de sua estrutura simbólica e iniciática para adequar–se aos preceitos de Thelema, tornando–se assim um sistema filosófico e iniciático único, soberano e independente, totalmente alinhado com a Lei do Novo Aeon. Como herança histórica, existe ainda um legado maçônico na nossa estruturação em graus sucessivos, bem como na nomenclatura dos Graus. No entanto, a abordagem dos Graus da O.T.O. nada mais tem com a Maçonaria, do mesmo modo que os ritos, formas de reconhecimento e insígnias foram transformados de modo a fazerem jus à Lei de Thelema, sem violar os mistérios ou direitos soberanos maçônicos. Sendo assim, a posse de graus ou títulos maçônico não dá direito a quaisquer graus, títulos, concessões ou privilégios dentro da Ordo Templi Orientis.

 

© 2010 - Ordo Templi Orientis - Política de Privacidade e Avisos Legais